17 de dezembro de 2010

DVDs para bebês

Uma dúvida comum que muitos pais têm é a respeito do uso de DVDs para bebês. O Mercado está cheio deles, e todos parecem bonitinhos e educativos - pelo menos é o que garante a propaganda. Na última década propagou-se a idéia de que esses DVDs, usando imagnes de bebês, brinquedos e músicas clássicas, seriam um estímulo capaz de transformá-los em pequenos Einsteins. E essa idéia vendeu MUITO. Recentemente, porém, pesquisas indicaram o contrário, que bebês expostos a tais DVDs tinham uma perda considerável no desenvolvimento da linguagem. Tanto que fizeram até um recall nos EUA, convidando os pais que se sentiram enganados pela propaganda a devolverem os DVDs.

E agora? Vamos fazer uma fogueira com os DVDs para bebês?

Vou falar da minha experiência e opinião. Acho que a questão - como sempre, como em tudo que diz respeito a crianças - é o bom senso: saber usar.

Imagine que um amigo lhe chama para ver as fotos que ele tirou na última viagem que ele fez ao exterior, para um lugar que você nunca ouviu falar. Você vai animado, mas quando chega na casa dele ele coloca a fotos para passar no DVD, sai e deixa você lá, sozinho, olhando aquelas cenas sem entender do que se trata. Você pode até achar um ou outro lugar bonito, e certo edifício bem interessante, mas ao final pode ser que nem saiba que lugar era aquele.

Agora imagine que seu amigo se senta ao seu lado e, à medida que as fotos vão passando, ele vai explicando onde as tirou, que prédio é aquele, qual o nome daquele parque, quem são aquelas pessoas na foto e o que estavam fazendo, e conta sobre o roteiro turístico que percorreu, o que as pessoas falaram, e até os detalhes que não aparecem nas fotos. Ao final dessa sessão de fotos você terá aumentado em muito sua cultura e conhecimento de mundo.

Pois o mesmo ocorre com o bebê. Há alguns desses DVDs que vendem a idéia "Compre este DVD e deixe seu filho assistindo enquanto você descansa ou vai fazer alguma coisa". É o caso da marca "DVD do bebê". Veja você mesmo a propaganda. Pois é justamente isso que os especialistas NÃO recomendam. Deixar o bebê olhando e ouvindo um DVD sozinho é tão estimulante quanto seria pra você uma sessão de fotos de um lugar desconhecido sem nenuma orientação. Pode ser que o bebê até goste, assista (já assisti esse e é bonitinho mesmo), mas o que ele de fato estará aprendendo?

Por outro lado, há DVDs como o Bebê Mais, que possuem até um pequeno manual de como usar o DVD, que estimula a assití-lo com os pais, e que estes conversem com o bebê, nomeiem os personagens e suas ações, mais ou menos como se estivessem vendo um livro juntos. Nesse sentido o DVD pode se tornar uma atividade estimulante e educadora tanto quanto qualquer outra em que os pais atuem diretamente. É mais uma brincadeira!

No caso do "Bebê Mais", há a vantagem de ele ser uma produção brasileira, muito bem feita e que se utiliza da cultura do nosso país, tanto em cenas como em músicas. Já o famoso "Baby Einstein" é bem americanizado, e às vezes fica aquela coisa chata (como nos DVD do Barney), em que há uma mistureba indigesta e confusa de inglês com português nas dublagens. Sem falar nos temas: por aqui meus meninos nordestinos não vão utilizar muito o conceito de inverno cheio neve que eles elaboraram. Mas para quem está utilizando o Programa de Idiomas ou Bits do Doman pode ser útil...

Outra coisa perniciosa é que TODAS as músicas da coleção Baby Einstein são tocadas no estilo "caixinha de música", alegando que seu som é apropriado para os ouvidos sensíveis do bebê. Particularmente discordo. O bebê deve ter experiências sonoras com os mais variados timbres. Da mesma forma como deve experimentar diversas texturas táteis, também deve experimentar texturar sonoras, devendo-se evitar apenas sons muito fortes para não assustá-lo. CDs tipo"caixinha de música" são bem-vindos sim, mas não se deve restringir toda a música que escutam a esse único timbre instrumental, pois até eles ficam entediados. Especialmente quando se trata de apresentar a obra de mestres como Mozart ou, pior, Beethoven, cuja genialidade estava justamente em utilizar os diversos timbres instrumentais para provocar efeitos musicais fantásticos. Os bebês merecem ouvir isso com instrumentos "de verdade". E há músicas apropriadas em todos os estilos eruditos: clássicos, românticos, impressionistas (nesse há muitos!), e até conteporâneos, por que não? Um exemplo de DVD maravilhoso nesse sentido é o "Baby IQ", que utiliza uma orquestra de verdade para apresentar lindas músicas aliadas a imagens inteligentes.

O segredo de todo aprendizado dos bebês está na AFFETIVIDADE. Eles aprendem tudo e aprendem melhor quando os pais estão junto e depositam emoção e amizade naquilo que ensinam. Não adianta comprar um super brinquedo caríssimo ou um DVD super elaborado e deixar o bebê sozinho com aquilo - BEBÊS "APRENDEM COM", ou seja, precisam necessariamente de um vínculo afetivo para desenvolver a vontade de aprender.

Leia AQUI uma matéria bem interessante sobre o assunto.

11 comentários:

  1. vou ver se compro bebe mais. O melhor video infantil que ja' vi e comprei e' "Baby signing time". O author musical e' da igreja de mormons e casado com uma brasileira (ja' falei com ele por telefoe inclusive)... e' fantastico!!!

    ResponderExcluir
  2. legal o post, mas a verdade é que os pais estao mais preoculpado em ter um tempo do que eduar; afinal, pra que 'educar um bebe'? convenhamos, que é exagero, querer que seu bebe de 1 ano asssista um video e sair por ai fazendo contas. um ser humano tem 18 anos pra se educar.
    os objetivos dos videos é dixar o bebe distraido, enquando a mae cozinha, lava, passa, descansa etc.

    o posto é legal, de pendendendo da visao de cada um.
    eu tenho videos em kasa que o deixa quetinho. pois, E ISSO SO QUEM É PAI E MAE SABE, ter um filho bebe requer atenção; fica dificil fazer outras coisa. eu, em momento algum, adquiro um video pro meu bb de 5 meses pra educalo, mas sim para distrailo, pois a criança quer toda atençao pra ele, sem saber que tem outras coisas

    ResponderExcluir
  3. Anônima, obrigada pelo comentário. Como pedagoga, psicopedagoga e mãe posso te afirmar (junto com vários outros pensadores da educação), que o "educar" começa no berço. E essa é justamente a fase mais importante para preparar o cérebro do bebê para tudo que ele vai aprender e ser na vida. O objetivo dessa educação (chamada estimulação precoce) não é que o bebê saia fazendo contas, mas que seu cérebro crie caminhos que facilitem seu aprendizado lógico-matemático. Concordo que toda mãe precisa de um tempo sossegado, e um bom DVD é uma ótima forma de deixá-los "quietinhos" por um tempo, mas não creio que seja saudável para nenhum bebê que vídeos sejam usados apenas para isso, e com frequência. A opção de educar ou distrair, tomada com relação às atividades do dia-a-dia, pode ser fundamental para o futuro do seu filho. Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito da metodologia do blog. MARAVILHOSO! Só não consigo baixar as apresentações do método Domain em PPT. Pode dar dica? Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. E quanto a clipes musicais como Galinha Pintadinha e Pequerruchos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônimo. Muita gente critica esses DVDs por considerá-los mais "comerciais", com músicas e animação muito apelativas. Sinceramente eu não gosto muito de opinar nessas questões porque acho que o bom senso dos pais é quem deve fazer as escolhas. Meus filhos assistiram tanto Galinha Pintadinha quanto pequerruchos, até porque eles estão presentes em vários ambientes infantis, como festinhas, casa de parentes, etc. Para mim o fundo do poço foi quando meu caçula me pediu um DVD do Patati Patatá. Mas eu prefiro não proibir coisas aqui, mas levar meus filhos a fazerem escolhas conscientes. Eu parto do pressuposto que crianças são inteligentes o bastante para entender muitas coisas que nós julgamos que elas não conseguem. Por exemplo: meu filho mais velho, por si próprio, diminui muito o tempo na TV, pois percebeu que havia coisas mais interessantes para fazer, como ler, por exemplo. Eu nunca proibi nem tirei a TV, apenas conversávamos e eu disponibilizava alternativas pra ele. Nop caso dos DVDs eu disponibilizo aquilo que acho que existe de melhor em animação e qualidade musical e de produção, e eles inevitavelmente percebem a diferença. Meu caçula por exemplo passou pouco tempo na febre Patati Patatá porque encheu o saco das musiquinhas sem graça, pobres e "educativas-pra-inglês-ver" que eles oferecem. Hoje ele prefere gastar tempo fazendo trabalhinhos de arte, é sua atividade preferida: desenhar, pintar, colar, etc. Nossa parte como pais é isso, oferecer o que há de melhor, e embora eu nem ache Pequerruchos e Galinha Pintadinha tão ruins assim (são bem apelativos sim, pensados para prender a atenção das crianças com uma superestimulação dos sentidos, que pode ser danosa se a criança ficar muito tempo apenas vendo isso), com certeza há DVDs melhores e atividades melhores para seus filhos. Mostre e deixe à disposição deles, eles vão conseguir perceber o que é melhor. Beijos.

      Excluir
  6. gostei muito da sua materia :) parabéns

    ResponderExcluir
  7. Parabéns achei sua matéria bem interessante, tenho uma bebê de 1 ano assisto junto com ela o DVD Bebê Mais, ela gosta muito. Também acredito que é muito importante a presença dos pais esses momentos.

    ResponderExcluir
  8. Olá Luciana, adorei seu texto!
    Tem uma idade pra começar estimular o bebê?
    Gratidão!

    ResponderExcluir
  9. Oi Márjori! Desde que nasce :-) Mas é preciso respeitar a natureza do bebê, sua capacidade cognitiva, seu desenvolvimento, porque superestimular é pior do que não estimular. O que pode haver de mais estimulante para um bebê é a interação com a mãe, o pai, os irmãos, os primos, os vizinhos, o mundo inteiro ao redor... não há melhor estímulo para um bebê do que um ambiente e pessoas que lhe sejam agradáveis aos sentidos. Beijos!

    ResponderExcluir