6 de setembro de 2011

Estimulação musical pré-natal

Em Maio uma leitora deste blog, a LENE, me deu a maravilhosa notícia de que estava grávida. E então eu lhe prometi fazer um post sobre estimulação musical pré-natal, que ainda é um assunto pouco divulgado por estas bandas tupiniquins. Ainda mais se você mora pelo Nordeste. Muito embora a cultura de estimular musicalmente os bebês desde o ventre seja algo inerente à própria maternidade, e ocorra em maior ou menor grau com todas as mães desde que o mundo é mundo, não é fácil encontrar um material pedagógico sobre isso. A não ser que você pague caro por um curso. Descobri isso enquanto ainda estava grávida do meu primeiro filho. Pena! No Peru, por exemplo, a estimulação musical pré-natal é praticada como parte dos cuidados médicos pré-natais, e oferecida na rede pública de saúde.

Pesquisando bastante achei um site em espanhol e adquiri um livro e um DVD sobre o assunto. Usei as informações deles para fazer a estimulação de Vinícius e Rafael, o que foi muito gratificante. Agora partilho aqui com vocês. Embora o livro também trate do tema do desenvolvimento do feto, alimentação, cuidados da gestante e preparação para o parto normal, vou focar na parte de estimulação sonora por ser justamente o assunto mais difícil de encontrar. É um tema apaixonante, e já ministrei palestras - gratuitas - sobre o tema.

Espero que essas informações ajudem não só à Lene mas a outras mamães interessadas em estimular a inteligência dos seus bebês desde o ventre e criar com eles um laço forte de afetividade e carinho. Percebam que o pai e toda a família está incluída no processo de estimulação. Para saber mais sobre o como o feto ouve e a importância da estimulação musical, recomendo a leitura DESTE TRABALHO, imprescindível antes de começar a estimulação.

Escolha uma hora do dia fixa para sua sessão de estimulação, que deve durar entre 5 a 30 minutos no máximo. Lembre que fetos não ficam acordados e atentos por muito tempo. Procure estar relaxada, e se achar confortável, deite-se sobre o lado esquerdo para favorecer a circulação sanguínea no útero. Também prefira um momento cerca de uma hora depois de ter se alimentado, quando provavelmente o feto estará mais ativo.

- PRIMEIRO TRIMESTRE

Ainda que neste primeiro trimestre não se perceba a presença do seu filho no ventre, isso não quer dizer que vocÊ não possa comunicar-se com ele. Pelo contrário, quanto antes comecem essa comunicação, mais estreito será o vínculo entre você e seu bebê.

É ideal que conversem com ele, que cantem, que falem como ele será, falem das expectativas que vocês têm em relação a sua pessoa. Uma conversa doce e carinhosa, rica em mensagens positivas leva a criança que está em seu útero a sertir-se amado, seguro e desejado.

Para a criança, o amor de vocês, e em especial de sua mãe, já que ela é o elo entre ele e o mundo, é o mais importante. Ele percebe esse amor, se sente querido, aceito, e esse clima de afeto pode diminuir o impacto de possíveis tensóes provenientes do mundo exterior.

Devido à ìntima relação que se estabelece entre a mãe e o filho, tudo que você pense e sinta será transmitido a ele. Portanto, é importante que você se mantenha tranquila, serena, contente, realizando atividades que você goste, trabalhando naquilo que lhe dê satisfação. Também é conveninete que os pais mantenham relações harmoniosas, evitando brigas, desgostos desnecessários, já que pesquisas têm mostrado cmo a relação entre os futuros pais pode afetar positiva ou negativamente esse ser em formação.

[N.T. - Embora a audição do feto não esteja formada até então, ele pode perceber os estímulos sonoros pela vibração destes, que lhe é transmitida através do líquido amniótico. Portanto, esse é o trimestre mais propício para ouvir várias músicas e escolher uma em particular para ouvir com ele todos os dias. Ao nascer, certamente o bebê a reconhecerá e se acalmará ao ouví-la. Aproveite o primeiro trimestre para, junto com o papai, selecionar um repertório que lhes agrade e que seja conveniente para os sensíveis ouvidos do bebês (nada muito estridente, nem muito ritmado, nem muito agudo, pois está provado que sons assim irritam o bebê. Já o som de vozes atrai e alegra o bebê, portanto, música cantada é bem-vinda). Aproveite para reviver com o papai os bons momentos de sua história, relembrando as músicas que marcaram seu relacionamento. Estar unidos nesse momento é muito importante para seu filho.]

- SEGUNDO TRIMESTRE

Continuem - papai, mamãe, irmãos - comunicando-se com o bebê da mesma forma que no trimestre anterior. Pesquisas valiosas têm demosntrado que estímulos táteis como carícias através da barriga, a voz humana, especialmente da mãe, assim com sons suaves e melodiosos, luzes e vibrações, são percebidas pelo feto como estimulantes e prazerosas. O útero proporciona a seu filho um ambiente onde há uma grande quantidade de ruídos e sons, onde se sente vibrações e movimentos [N.T. - sons do coração, da circulação sangúinea, da digestão, etc.], mas todos estes estímulos não se apresentam de forma organizada. Por isso o bebê tem dificuldade para aprender com eles, tendendo a esquecê-los e ignorá-los. A função de vocês, pois, é de alertá-lo para que os estímulos tenham significado para ele.

Para estimular sua audição, além de falar com ele, você pode colocar diariamente ao lado de sua barriga um cd player com música suave, melodiosa, com poucos sons agudos. Quando o bebê nascer, notarão que se está intranquilo e ouve a mesma música que ele escutava quanto estava no útero, se alcalmará rapidamente, e poderão observar como seus olhos atentos denotam que reconhecem a música, o que demosntra o imenso potencial desse ser diminuto.

[N.T. - Algumas mães usam headphones em volta da barriga, mas perceba que uma coisa é usar tais headphones (fones de ouvido) diretamente nas orelhas, cujo aparelho auditivo por si amplia os sons que saem dele. Outra coisa é colocá-lo sobre a barriga, que tem várias camadas de pele, músculo e gordura para "barrar" o som, que ainda tem que atravessar o líquido amniótico para chegar até os ouvidos do bebê sem nenhuma amplificação. Todos os sons que o feto ouve já são distorcidos por essas "barreiras" naturais - daí a necessidade das músicas serem o mais simples possível, com poucos timbres, sem muitos instrumentos ao mesmo tempo- , precisam ao menos chegar com volume audível. Logo, o som que sai desses fones de ouvido é muito baixo e inadequado para estimulação. Prefira usar um mini system, som portátil ou caixinha de som ligada ao seu aparelho de mp3, de modo que o som possa se propagar de forma mais efetiva e uniforme pela barriga até chegar ao bebê]

A partir do quinto mês, você pode aproveitar certos momentos em que o bebê se move para começar a introduzí-lo no mundo da linguagem [N.T. - para que ele perceba que as coisas têm nome, o fundamento da futura linguagem]. Quando sentir um chute de seu filho, acaricie ou dê uma leve batidinha onde vocêsentiu o chute, dizendo: "olá, bebê! bate! bate! bate!". Uma vez que o bebê chute novamente, comunique-se com ele da mesma forma. [N.T. - É incrível, eu era meio cética antes de ver acontecendo, mas meus filhos realmente respondiam a esse joguinho, e voltavam a chutar quando eu dava as batidinhas e falava com eles.]

Com esse exercício você estará desenvolvendo a atenção e a comunicação entre vocês, o que favorecerá suas respostas a outros estímulos. Isso estimula a capacidade de aprender a associar a ação com a palavra, ainda que não entenda o significado destas. Não é necessário responder toda vez que o bebê chutar, é preferível escolher os momentos em que você pode dar máxima atenção à criança. Lembre que responder aos chutezinhos e movimentos do bebê toma pouco tempo. Recomendamos que realizem esse jogo várias vezes ao dia, tendo o cuidado de aumentar o volume da voz mais ou menos três vezes acima do seu tom natural, mas sem gritar, nos momentos em que falar ao bebê. [N.T- Isso é válido especialmente para o pai e os irmãos, uma vez que a voz da mãe não é conduzida apenas pelo ar, mas também por seus ossos, músculos, ou seja, por seu corpo todo, e chega de forma mais audível ao bebê.]

Com esses jogos de estimulação, um dos objetivos mais importantes é estabelecer a idéia de "falar com o bebê", ao invés de "falar para o bebê", ou seja, estabelecer um diálogo.

TERCEIRO TRIMESTRE

No trimestre anterior era o bebê que começava a comunicação através do "jogo do chute". Agora são vocês quem vão começar o diálogo com o bebê, ensinando-lhe a associar palavras e ações. Essas palavras devem ser aquelas cujo significado implique movimento ou alguma outra sensação facilmente perceptível ao bebê através do ventre materno.

Matenham-se entusiasmados, divertidos e pacientes. Lembrem que se o bebê aprender a gostar de aprender, ele sempre aprederá! Pense que já começaram a fabulosa aventura da aprendizagem, atividade que caracteriza os er humano e constitui a base de seu progresso.

A forma mais indicada de iniciar o bebê na associação de palavras com ações é falando-lhe em voz alta a palavra acompanhada de sua ação. Por exemplo, com a mão bata suavemente na parte inferior da barriga, onde está localizada sua cabeça, e diga ao mesmo tempo "Bate, bate, bate!". [ N.T. - Você pode aproveitar para cantar músicas que usem a palavra em questão. Por exemplo, "pirulito que bate, bate"]. Noutro momento, encontre onde estão as costas do bebê, região muito sensível dele, e esfregue a mão ao longo dela dizendo "Arrasta, arrasta, arrasta" [N.T. - Fiz uma livre tradução de "frotar", que quer dizer esfregar, atritar. Acho mais adequada a palavra "arrastar" porque é uma ação com que o bebê vai ter contato logo cedo. Você pode inventar uma música de cobrinha que se arrasta, usando uma melodia conhecida, como "A dona cobra se arrasta pelo chão, arrasta, arrasta, arrasta seu rabão" - melodia de "A dona aranha subiu pela parede"). Com a mão colocada colocada nas costas ou na cabeça, deslize a mão para cima e para baixo exercendo certa pressão, ao mesmo tempo que diz "Carinho, carinho, carinho". Aperte a barriga com delicadeza, desde a cintura até o umbigo dizendo "abraça, abraça, abraça!".

Esse jogo irá treinando o bebê para entender o que ele vai sentir nomomento do nascimento (de parto normal), quando o útero o empurra através o canal de parto.

Você também pode dizer "mexe, mexe, mexe" ao mesmo tempo que coloca as palmas das mãos ao lado do abdômem e aperta e solta ritmicamente [N.T. - Imagine que está formando "ondinhas" no líquido amniótico]. Quando descer uma escada você pode dizer "cai, cai, cai", à medida que cada pé desce um degrau". Aproveite quando o bebê tiver soluço (você sentirá movimentos espasmódicos no baixo ventre) para dizer "soluço, soluço, soluço". Da mesma forma quando rir, tossir, espirrar, lembre de acompanhar essas ações com sua respectiva palavra. [N.T. - Tire um tempinho com o papai e o restante da família para lembrar ou inventar músicas para essas ações]

Você pode colocar uma luz brilhante, como uma lanterna, na parte baixa do seu abdomen, ao mesmo tempo que diz "luz, luz, luz", e ao apagá-la dizer "escuro, escuro, escuro". Com esse exercício, estará estimulando a visão de seu filho. [N.T. - que tal cantar "brilha, brilha estrelinha"? O exercício também pode ser feito ao sol, tirando e colocando um pano escuro de cima da barriga]

Antes de iniciar qualquer sessão de estimulação deve-se captar a atenção do bebê com a saudação conhecida por ele desde o quinto mês de gestação: "Olá, bebê (ou o nome da criança), é mamãe! (ou papai)!". Cada sessão se conclui colocando o som portátil com a música suave escolhida sobre ou ao lado do ventre do mãe, perto da cabeça do bebê enquanto você dioz "música, música, música". Espere alguns segundo e aperte o play. A música sempre deve ser a mesma, suave, sem muita percussão, pouca quantidade de sons agudos e num volume que não passe de 80 decibéis. [N.T. - 80 decibéis = motor de um ônibus. Não precisa chegar nesse volume, cuidado para não assustá-lo. Embora a música escolhida sempre encerre esse momento de estimulação em especial, nada impede a mamãe de ouvir outras músicas que gosta durante o dia e cantar a plenos pulmões, o que também irá desenvolver a sensibilidade musical do bebê. Não acredite nas teorias que só propõem música clássica. Embora ela seja adequada pela qualidade sonora (a barroca também é), o importante é você gostar da música. Lembro que quando estava amamentando e cantava minhas música preferidas, meus seios jorravam leite numa quantidade incrível! OS hormônios da felicidade vão passar para seu feto e ajudar a densenvovê-lo de forma saudável e... feliz também!]

(Retirado de MANRIQUE, Beatriz. Hola Bebé - Guía para um embarazo e parto saudable /Notas do Tradutor [N.T.] feitas por Luciana Dantas Teixeira de Araújo)

Seguem abaixo alguns vídeos interessantes sobre o assunto:











4 comentários:

  1. Muito esclarecedor o post, pois as mães em geral têm dúvidas acerca da audição do bebê no útero.

    Pois é, essa é a vantagem de se tocar cello ( a caixa de ressonância fica bem pertinho da barriga da mamãe, e o baby, lá dentro, fica só sentindo as vibrações).

    ResponderExcluir
  2. Luciana, muito obrigada pelo post!
    Tenho feito algumas coisas das quais você menciona e percebo realmente o retorno do bebê ao meu estímulo.
    Estou grávida de uma menininha, que se chamará Mariana.
    Embora nem sempre comente, apareço sempre aqui viu? Adorei a idéia da máquina das estações.

    Um Beijo,

    Lene

    ResponderExcluir
  3. Gostei do post, apenas gostaria de ressaltar que no começo, a autora cita deitar-se do lado direito, sendo que o esquerdo é o mais indicado. Algumas pesquisas apontam que deitar de lado direito possa pressionar a veia cava do feto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Marcela, você está certíssima, não sei como não vi esse equívoco antes. Já corrigi. Grata, beijos!

      Excluir