31 de janeiro de 2011

Programa de matemática - 1° trimestre - material e como ensinar

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

MATERIAL

Cartões (cartolina branca não brilhante de 29 x 29 cm) de 1 a 100 pontos vermelhos (2 cm de diâmetro para serem vistos a 50 cm) dispostos aleatoriamente.

Atrás de cada cartão se escreve o número correspondente.

COMO ENSINAR

De forma semelhante aos Bits, mas os grupos são feitos da seguinte maneira:

1ª SEMANA

Ensina-se um só grupo formado pelos dez primeiros números (como sempre, três vezes ao dia durante cinco dias consecutivos)

Se as crianças NÃO sabem contar até dez, apresenta-se os conjuntos nessa ordem os três primeiros dias e a partir do quarto dia apresenta-se em ordem na primeira sessão do dia, e embaralha-se em pelo menos um das outras duas sessões do dia.

Se sabem contar, desde o primeiro dia os cartões são apresentados em ordem na primeira sessão e são embaralhados em ao menos uma das outras duas sessões do dia.


DA 2ª A 10ª SEMANA

A partir da segunda semana, a cada dia se retiram dois cartões correspondentes ao números menores e substituem-se por dois cartões correspondentes aos números maiores consecutivos.

Os conjuntos só são representados em ordem na primeira sessão do dia, nas outras duas os cartões são embaralhados.

Norma geral: Antes de cada sessão gira-se os cartões para que a posição dos pontos varie a cada sessão.

[Devido a suas particularidades (embaralhar, girar), pode ser mais difícil fazer esse programa usando o power point.NESTE SITE há uma apresentação em flash com todo o programa do primeiro trimestre (e os demais) já prontinho, não deixe de ver para visualizar como funciona. É só baixar o som do computador e falar os números em português. -N.T.]

PS.: Simone, neste site AQUI você encontra a apresentação em power point dos 100 números com pontos (dots) correspondentes a esta fase. Pra fazer os cartões basta imprimir e colar no cartão depois, facilita bastante! Boa sorte!

Programa de matemática - Fundamentos

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

OBJETIVO DO MÉTODO

Oferecer às crianças uma estimulação abundante e sistemática com o fim de lhes dar a capacidade neurológica para a Matemática.


FUNDAMENTOS DO MÉTODO

Todos os fundamentos do método Doman dos Bits e de Leitura são aplicáveis ao programa de Matemática:

- Científicos e Neurológicos:

A capacidade matemática é adquirida com maior facilidade na tenra idade. É mais fácil ensinar matemática a uma criança quanto menor é sua idade.

É urgente ensinar matemática a uma criança o quanto antes pois a capacidade do cérebro para desenvolver circuitos neurológicos específicos para a linguagem matemática se perde com a idade de forma exponencial, e a partir dos 7 anos praticamente desaparece.

A capacidade visual dos pequenos é muito maior que a nossa. Até aproximadamente três anos eles são capazes de distinguir um conjunto de cem pontos de outro de noventa e nove. Essa possibilidade de perceber diferenças entre os conjuntos maiores vai diminuindo rapidamente a partir dessa idade.

Essa capacidade visual é independente das funções oral e escrita. Uma criança écapaz de visualizar quantidades antes que aprenda a expressá-las oralmente e a representá-las mediante símbolos. Portanto, é um erro esperar que uma criança saiba falar e escrever para só então ensiná-la Matemática.

Estimulação infantil:

São usados estímulos o mais eficazes possível, ou seja, baseados no processo de desenvolvimento do seu cérebro, que como se disse no programa de Leitura, vai do concreto para o abstrato.

Portanto, a aprendizagem da linguagem matemática não pode começar com abstrações como são os símbolos dos números, mas com a observação de objetos concretos: os conjuntos de pontos dos cartões matemáticos.

Assim como no idioma as palavras evocam objetos, pretende-se que também os números evoquem os diversos conjuntos de pontos, para que resultem significativos para as crianças. Mais tarde, usando esses conjuntos como referência, poderão entender facilmente as representações numéricas abstratas ou gerais.

Psicologia infantil: a curiosidade inata das crianças

Este método não exclui o emprego de outras técnicas; pelo contrário, é compatível com outros procedimentos como são os blocos lógicos, o ábaco, os jogos de mesa, o material dourado, e qualquer outra atividade que consideremos interessantes para criar um pensamento matemático nas crianças.

[Há que se ter criatividade para explorar o pensamento matemático nas brincadeiras e afazeres do dia-a-dia da criança. É só estar atento às oportunidades. O video abaixo foi feito num momento de brincadeira, quando não havia nenhum planejamento para um "momento matemático". Mas a idéia surgiu e foi aplicada com sucesso. - N.T.]

27 de janeiro de 2011

Dica para o programa de música - livrinhos com partituras

No programa de leitura de Doman é recomendado aos pais que "leiam uma história diária para as crianças, de pelo menos duas ou três páginas se houver muito texto em cada página. Devem cobrir as imagens e ir ensinando com o dedo cada palara que leem, chamando a atenção da crianças para que a olhem."

No Programa de Música podemos fazer algo análogo. Existem alguns CDs que vem com livrinhos de partituras das músicas contidas nele. Enquanto ouve a música, com a criança em seu colo e a partitura aberta diante de vocês, você pode ir cantando e apontando a nota correspondente da melodia. É divertido e ajudará a ir formando um hábito de leitura musical que será útil no estudo de qualquer instrumento.

Exemplos de alguns CDs com livros de partitura (a melodia gravada garante que você ensinará a nota corretamente):

- Os da coleção Turminha Querubim, da editora Luz e Vida (há até partituras para baixar no site). Quer fazer uma experiência? Baixe o arquivo a seguir: tem músicas, playbacks e partituras.
Musicalizando com a Turminha Querubim.Depois COMPRE, que o livrinho é lindo e sua criança vai amar folheá-lo.

- Os Boxes com 10 CDs da Ciranda cultural,só com cantigas de roda. Pra ter uma idéia da qualidade (vale a pena comprar) você pode baixar online um deles: Músicas - Partituras

- Sem grana? O site Jangada Brasil tem um arquivo com várias cantigas de roda apresentadas com arquivo midi e partitura. Mas pra usar esse você tem que ter certeza que é afinado, hein? Ouvir a melodia e cantar errado não vale! (Depois que baixar o arquivo extraia tudo para um pasta e abra o arquivo .pdf)

Se eu lembrar de mais venho aqui postar. E você sabe de mais algum?

E lembre da regra principal: divirta-se com seu filho!

25 de janeiro de 2011

Ferramentas no YouTube

O YouTube é uma fonte de inspiração para mim. E de material também. Sabendo filtrar a gente encontra muita coisa interessante. Minhas descobertas de hoje são:

1 - Um canal de flashcards em inglês. Não é Doman mas chama atenção dos pequenos para as palavras também.

2 - Lindos vídeos musicais para bebês. Eu estava procurando animações para colocar as músicas eruditas que pretendo usar no Programa de Música e acabei achando esses já prontinhos. São perfeitos para começar a trabalhar apreciação musical no Programa do Domam, pois as peças são curtas ou com trechos bem selecionados e a animação garante que as crianças nem vão piscar. Bem, nem eu pisquei, é lindo lindo mesmo. A série se chama Classical Baby, e abrange Música, Pintura e Dança. Nunca vi pra vender aqui no Brasil. Meus filhos amaram, tanto o de 10 meses quanto o de 3 anos.
The art show 1/2
The art show 2/2
The music show 1/2
The music show 2/2
The dance show 1/2
Pra baixar da net, AQUI.

3 - Genial a ideia desta canção Phonics Song. Vou ter que fazer uma versão em português algum dia, simpatizante que sou do método fônico de letramento.

24 de janeiro de 2011

Como colocar voz nas palavras e Bits do método Doman (Power Point)

Essa é uma dica legal para quem está fazendo o programa de palavras ou Bits deInteliência utilizando o power point. às vezes nos deparamos com palavras técnicas que são escritas em lígua estrangeira (a Música, por exemplo,utiliza muito o italiano), ou queremos ensinar o programa de idiomas mas não estamos muito seguros de nossa pronúncia, ou simplesmente queremos colocar a voz em português mesmo, para que seja possível aplicar o power point na velocidade correta mesmo quando não estejamos presentes.

Seus problemas acabaram kkkkkkk

Essa dica, criada a partir da minha experiência com os ppts, vai te ajudar a colocar a voz nas palavras ou Bits sem necessidade de microfone com a certeza da pronúncia correta, é rápido e fácil. Vamos a passo-a-passo:

1 - Você terá que baixar e instalar o navegador Firefox

2 - Você vai ter que baixar e isntalar um plugin do Firefox chamado FlashGot

3 - Pronto, você fez a parte mais difícil, que só será feita uma vez. Agora abra o site do VOKI. Clique em create your own Voki. No balão "Give it a voice", clique na teclinha cinza com a letra T. Abrirá um pequeno editor de texto. Escreva a palavra ou frase que você deseja, a seguir escolha abaixo a linguagem e o tipo de voz que você deseja. Em português-brasileiro eu gosto muito da voz da Raquel.



4 - Aperte no botão de play para ouvir se está do jeito que você quer e depois clique em "Done".

5 - Clique no botão de play embaixo do desenho animado que você criou. Assim que o desenho terminar de falar sua palavra, vai piscar um ícone embaixo e à direita do seu navegador, um desenho em forma de filme fotográfico. Clique em cima dele.

6 - Na janela que vai aparecer selecione o local onde quer salvar o arquivo .mp3 com o áudio da palavra que você criou. O arquivo será salvo com um número estrambólico como "67d6acd362e3dd2a2878dad39d0e3f41" - é só renomear (F2).


7 - No Power Point: Inserir > filmes e sons > som do arquivo (escolha o local onde salvou o mp3). Selecione "Automaticamente" para o modo como deseja que o arquivo seja iniciado na apresentação do slide. Se não deseja que o ícone de som apareça é só escondê-lo num cantinho fora do slide.

Se você quiser ainda pode se divertir criando personagens no Voki, escolhendo o fundo, acessórios ou aplicando efeitos na voz.

21 de janeiro de 2011

Por que musicalizar crianças?

Por meio da música, bebês e crianças aprendem a viver em sociedade

Seu filho não sabe fazer silêncio? Chora quando não consegue o brinquedo na hora que ele quer? Não sabe se relacionar com outras crianças? Tudo isso pode ser transformado de forma simples e divertida: com a música

O envolvimento de crianças com o universo sonoro começa antes do nascimento, pois na fase intra-uterina o bebê já convive com alguns sons provocados pelo corpo da mãe, como o coração batendo, a respiração e o sangue fluindo nas veias. Após o nascimento, o bebê faz interações com diversos sons do cotidiano, como TV, automóveis, voz de pessoas, música, sons de animais; e assim desenvolve seu repertório de comunicação.

A música tem importante papel na formação da criança, uma vez que, além de adquirir sensibilidade aos sons, ela desenvolve diversas qualidades, como concentração, coordenação motora, socialização, respeito a si e ao grupo, disciplina e outras características que colaboram na formação do indivíduo.

Muitos estudos confirmam esses benefícios adquiridos com a musicalização na infância. Vale destacar Andrzes Janicki, médico polonês especializado em musicoterapia, que realizou experiências nesse campo e concluiu que a música influencia nas funções de numerosos órgãos internos, na função psíquica e na memória. Tais influências se revelam diretamente no ritmo cardíaco, pressão arterial, secreção do suco gástrico e no metabolismo. O que significa que quem tem contato com a música, por diversas formas, pode sofrer menos com stress e com o medo, problemas considerados como “doenças da modernidade”.

A musicalização é aconselhada por especialistas desde a infância, por volta dos oito meses de vida. Em todos os momentos de uma aula de música, há espaço para o exercício sensível e cognitivo. Com um trabalho de sonorização de estórias, invenção de composições, brincadeiras, jogos de improvisação, elaboração de arranjos, audições, cantorias, desenhos de partituras, construção de instrumentos, os bebês percebem e entendem os sons e o silêncio. “Aprender a escutar com concentração é uma tarefa difícil, mas, com a música, bebês e crianças compreendem o momento de falar e de ouvir. Isso denota respeito e obediência”, afirma Selma Regina C.G. Petroni, especialista em musicalização infantil e professora do Centro Musical RMF.

Selma acrescenta também que as pessoas ainda têm uma visão errônea sobre a musicalização. “Para muitos pais, a música é entendida como algo pronto. Muitas escolas não ensinam música, na verdade ensaiam coreografias para a festa junina, ou para o dia das mães, ou para o Natal. Esse tipo de atividade não abrange possibilidades de desenvolver, por exemplo, a expressão vocal, corporal ou instrumental; ou, ainda, outros aspectos, como pesquisa, criação, escuta, senso crítico, gosto musical, justamente o que trará os benefícios para as crianças”, afirma.

Quando os bebês ou crianças participam da aula de música e, por exemplo, têm que trocar os instrumentos, estão aprendendo a dividir. Em uma aula de improvisação sonora, lidam com situações inusitadas; ou quando tocam em conjunto, entendem que cada um tem a sua vez de participar e ser ouvido. “Com a música, bebês, desde a idade de oito meses, até as crianças maiores aprendem a lidar com os enfrentamentos de uma convivência em sociedade, além de trabalhar com os sentidos da audição, visão e tato e receber estímulos para aprender a falar mais rápido, sem timidez e com maior vocabulário. O conjunto dessas características traz benefícios que vão acompanhá-los até a fase adulta”, esclarece a especialista.

(Disponível em < http://guiadobebe.uol.com.br/bb2a3/musica_e_relacionamento.htm >. Acessado em 20/01/2011)

Programa de Música - Método Doman - Parte 2

Traduzido de: ALENKA, in CHILD AND ME, 2002 - 2012. Teach Your Child Music: Doman method, 31 Jul. 2007. Disponível em < http://www.childandme.com/teach-your-child-music-doman-method/ >. Acesso em 21 jan. 2011.

Obs.: As possíveis diferenças de metodologia entre essa parte e a anterior se devem ao fato que na parte 1 fizemos referência a um artigo escrito para empregar o programa NA ESCOLA,e neste trata-se do programa feito para pais. Mas a essência é a mesma.

"De todos os programas [de Doman] que temos feito, este se tornou o mais fácil e mais divertido. De fato, a filosofia de Doman está de acordo com essas poucas coisas que você pode começar a fazer com bebês:

1.Apreciação musical e percepção sonora
2.Desenvolvimento do Ouvido Absoluto
3.Leitura de partitura
4.Ritmo
5.Termos musicais

1. Apreciação Musical e percepção sonora

Bem, este é o mais fácil de todos: apenas coloque música para tocar e divirta-se! E Doman realmente acredita que esta éaparte mais importante do programa musica. Então um pouco mais sobre isso:

•Escolha um compositor que você adora
•Escolha uma peça musical que você gosta: alegre, feliz, dramática...
•Ponha para tocar uma pequena parte da peça (aproximadamente 30 segundos ou menos para bebês pequenos), 3 vezes ou mais por dia. Comece a sessão dizendo o nome do compositor e o nomeda peça musical.
•Depois que estiver tocando dance, bata palmas no ritmo, beije e abrace seu bebê- divirta-se!
•Toque a mesma melodia por uma semana e na próxima semana escolha outro trecho da peça escolhida. No final da semana você pode ouvir a peça inteira. Você também pode escolher uma peça diferente ou inteira.
•Sempre pare antes que seu bebê queira parar!

Nós alteramos um pouco as regras: eu também mostro a figura do compositor, digo um ou dois fatos sobre ele e toco uma composição inteira dele (eu pego peças pequenas, como a Valsa das Flores de Tchaikovsky, da Suíte Quebra Nozes, ou Toreador, da Carmen de Bizet). Nós dançamos,batemos palmas, pulamos pra cima e pra baixo, tocamos com brinquedos ou apenas nos abraçamos. Ou continuamos com nossas atividades - comer, brincar, cozinhar. Agora, sempre que as primeiras notas de uma música de Bach começam a tocar meu filho começa a gritar "Baaaaaaah!!"[kkkk o mesmo que aconteceu no episódio do concerto de piano com meu filho Vinícius - N.T.], ou quando fragmentos de "Carmen" são tocados ele começa a marchar. ComSchuman nós pulamos. Com Schubert nós tentamos bater palmas no ritmo. Com Tchaikovsky nós giramos no mesmo lugar. Muita diversão!

[...] [A autora aconselha a procurar CDs de compositores clássicos para crianças, com arranjos simples e de curta duração. Eu concordo, desde que os arranjos não "estraguem" a peça original. Lembre que uma simples transposição de orquestra para piano já pode esconder muito da genialidade de Beethoven, e crianças apreciam o simples, mas não merecem o simplório. Ela aconselha ainda a ouvir as músicas no carro várias vezes, tantas quanto a criança quiser.- N.T.].


2.Desenvolvimento do Ouvido Absoluto

Toda criança nasce com ouvido absoluto. Então nossas canções desafinadas e total ignorância sobre isso faz com que percam sua afinação perfeita. Ressalvando que eu acho que os benefícios dos pais cantarem junto com os filhos supera a perda de uma afinação perfeita.

O que é ouvido absoluto? É a habilidade para ouvir e discriminar sons individualmente, tal qual eles são. Doman recomendafortemente um programa que ajude a desenvolvê-lo nas crianças.

Você precisará de:

a. Um instrumento perfeitamente afinado, de preferência um xilofone que você possa levar com você a qualquer lugar facilmente [Mas pelo amor de Deus certifique-se de que ele é realmente afinado, pois o que mais existe são xilofones "de brinquedo" extremamente desafinados e altamente nocivos para a percepção musical deles.- N.T.]. Um teclado eletrônico também serve, mas há que se observar o quão portátil ele é.

Exemplo de que tipo de xilofone NÃO usar:b. Para ensinar um recém-nascido, escolha 3 notas, nomei-as e toque-as 10 vezes no primeiro dia, nomeando-as a cada vez que tocar. No dia seguinte escolha três novas notas até haver esgotado todas as possibilidades. Continue realizando essa sequência por 3-4 semanas. Para ensinar uma criança mais velha, toque e nomeie suas 3 notas, 5 - 10 vezes por dia, durante 5 dias. Depois retire uma das notas e adicione uma nova (exatamente como o programa de Bits!)

3. Leitura de partitura

Após ter terminado o treino de ouvido absoluto você pode começar a leitura de partitura: habilidade para "ouvir" as notas quando as vê escritas com a notação musical.

•Crie um cartão para cada nota do seu xilofone ou teclado.
•Escolha 5 notas,toque-as simultaneamente mostrando o cartão apropriado. Não é preciso nomear a nota, apenas mostre. Adicione e retire da mesma forma que faz com os cartões de Bits. Percorra todas as notas.
•Agora ensine com os mesmos cartões nomeando-os: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol sustenido, etc. Não indique "Dó grave" ou "Dó agudo", a criança o irá intuir.
•Uma vez que a criança esteja segura, brinque com os cartões [Você pode fazer bingos, dominós, VEJA ALGUMAS BOAS IDÉIAS AQUI - N.T.).
◦Toque uma nota e dê a criança duas a três opções de escolha sobre que nota é.
◦Toque duas notas e deixe a criança dizer qual das duas corresponde ao cartão com a notação que você está mostrando.
◦Toque uma nota no xilofone e deixe a criança tentar imitar coma voz
◦[Pesquise e crie jogos interessantes! Procure por "jogos de musicalização" ou "Music games" na internet e em livros especializados. Há sites com vários joguinhos de percepção musical tipo "Memória musical" em formato flash que podem ser salvos com um programa apropriado (eu uso um plugin do firefox chamado "downloadhelper" pra salvar,assim eles ficam disponíveis e organizados no meu computador.)-N.T.]

4. Ritmo

Divide-se em duas partes: o aprendizado natural do ritmo numa melodia e notação musical do ritmo.

Aprendizado natural do ritmo:

•Selecione algumas marchas e marche ao som delas
•Encontre alguma música para bater pés e mãos
•Dance com algumas valsas
•Toque qualquer música e ajude seu bebÊ a identificar o ritmo dela balançando ao seu som.

Notação rítmica

•Faça cartões de notas musicais por duração (semínima, mínima, colcheia,etc). [ESTE SITE pode lhe ajudar bastante com as imagens dos cartões de música. Aproveite também para visitar sites de teoria musical como este e estudar um pouquinho antes de passar as informações para as crianças- N.T.]
•Pratique lendo os cartões no ritmo indicado pela nota [Para isso é bom criar um pulso e praticá-lo antes da sessão com a criança - N.T.]
•Faça seus proprios cartões com células rítmicas e pratique lendo-as [use uma sílaba como tá ou pá para fazê-lo- N.T.]. Gradualmente aumente o número de notas.

5. Termos Musicais

[A autora ainda não escreveu sobre isso, mas a orientação é que também se utilize do programa de Bits. Acho importante também selecionar músicas ou trechos de músicas que exemplifiquem os termos: rallentando, sforzando, fortíssimo,etc. Se puder exemplificar tocando um instrumento ou cantando, melhor ainda- N.T.]"

Programa de Música - Método Doman - Parte 1

Traduzido de: ESTALAYO, Víctor e; VEGA, Rosario. Los Métodos para el Desarrollo de la Inteligencia de los Institutos para el Desarrollo del PotencialHumano del Dr. Glenn Doman aplicados a la Escuela. in: Curso práctico de Estimulación Infantil - Método Doman, 2007, Madrid (Espanha). Madrid: Instituto para el Desarrollo Infantil VEGAKIDS, 2007, 58p.

PROGRAMA DE MÚSICA

A experiência sonora naprimeira infância (inclusive desde os cinco meses de vida intrauterina) é determinante parao desenvolvimento das habilidades musicais.

O mestre japonês Shinichi Suzuki temensinado e demonstrado que todas as crianças podem chegar a desenvolver circuitos neurológicos específicos para a linguagem musical.

Portanto, essa capacidadenão é excepcional comosepensacomofrequência. Por exemplo,pode-se educar um pássaro silvestre em seu primeiro mês de vida. de modo que cante bem. fazendo-o viver com outro adulto e bomc antor que seja seu exemplo.

Se durante a primeira infância abundantes sons musicais são percebidos, especialmente se são composições geniais interpretadas magistralmente, a criança poderá adquirir um bom ouvido musical.

PARA EDUCAR O OUVIDO

Escolha uma peça musical com duração entre 3 a 8 minutos aproximadamente de um compositor clássico, por exemplo, e faça com que as crianças escutem 3 vezes ao dia durante 5 dias.

Por exemplo, pode-se trabalhar com um compositor cada mês e dizer, antes de colocar apeça musical, o nome desta, o nome do compositor e a cada dia pode-se adicionar novos dados, como sua data de nascimento e morte, estilo musical a que pertence, o século e ano em que foi composta, os instrumentos que a executam, etc.

Pode-se trabalhar também os instrumentos musicais que soem bem diferentes entre si a cada 5 dias: escolher uma peça de cerca de 5 minutos para cada um desses instrumentos e escutá-la 3 vezes ao dia durante 5 dias.

Os símbolos musicais são ensinados no programa de Bits de Inteligência, na área de Música.

Para mais informação, leia "Educação é amor", do mestre Shinichi Suzuki.

Dicionário de imagens Glenn Doman - CD-ROMs

Achei para Download na net os dez CD-ROMs com o método Doman preparados pelo IAHP. Quem não pode pagar 300 dólares por eles pode ter uma boa idéia de como trabalhar e fazer seus próprio material. Lembrando que ao comprar produtos do Instituto estamos ajudando a esse trabalho prosseguir, então dê uma olhadinha no site deles, ok?

LINK para DOWNLOAD (já baixei e testei - tudo seguro e funcionando)

Obs.: Baixe os 13 arquivos e só depois abra a parte 1 e extraia a pasta completa. Os cds estão em formato .iso, é só gravá-los com o auxílio de um programa como o Nero.

--------------------------

Nota posterior:
Em 11/02/2012 constatei que os links foram desativados, provavelmente pelo problema com o Megaupload.
Sugiro outros dois materiais muito bons para o ensino de inglês. Não são do método Doman mas também usam flashcards:


- VCDs Best way for your child to learn

- DVDs Your baby can read

Novas possibilidades para a Educação Infantil - em inglês

É disso que estou falando.

20 de janeiro de 2011

Sorteio

Nem precisa sortear nada para a gente amar o blog dela. É um espaço onde além de muita informação, experiência e incentivo para continuar estimulando os filhos, você sente o amor que ela põe na educação das filhas, e como isso transborda em cada post.

Mas ela também está fazendo um sorteio imperdível que eu quero comunicar a todos os meus 5 leitores, kkkkk

Serão sorteados cinco exemplares de "Como ensinar seu bebê a ler", livro do Glenn Doman. Basta FAZER ESSE CADASTRO para participar. Mas se ainda não fez, corra, é só até dia 02 de fevereiro.

Programa de Leitura - Como mostrar as palavras

Embora eu tenha colocado este post no programa de leitura ele vale para o programa de Bits de Inteligência também.

Essa questão é importantíssima pois é ela quem vai ditar o interesse das crianças. A frequência, intensidade, clareza, duração, e todos os demais princípios do método Doman desembocam no momento em que você está frente a frente com as crianças e elas estão ávidas para saber se o que você tem a oferecer interessa mesmo. Manter essa avidez é o grande desafio para chegar aos objetivos. E como estamos lidando com seres humanos não há fórmulas mágicas senão uma: conhecer e conhecer muito bem seu filho ou alunos, e usar de muita criatividade para manter seu interesse.

Vejamos as formas de apresentação das palavras, desde as mais tradicionais até as menos ortodoxas:

- CARTÕES DE PAPEL
Seguindo as instruções dadas no passo 1 do programa de leitura. Mães mais experientes aconselham a plastificar os cartões para assegurar sua durabilidade (com uma etiqueta de papel no verso você pode fazer as anotações necessárias sobre a palavra: data em que mostrou, combinações com outras palavras, informações enciclopédicas, etc).

- SENTENCIADOR
É uma forma simples de organizar os cartões na hora de mostrar pares de palavras e frases. Sem ele é difícil manter o ritmo e a organização necessárias: crianças bem pequenas perdemo interesse fácil quando precisam esperar a mãe se desenrolar com um monte de cartões. Além disso, depois de um aninho elas já poderão interagir com joguinhos. Quer saber mais sobre o sentenciador? CLIQUE AQUI e conheça o belo trabalho da Kátia Xavier. Veja NESTE POST uma foto do sentenciador.

- POWER POINT
É uma boa alternativa aos cartões, especialmente se você quer economizar tempo. Mas não substitui os cartões porque os jogos de formar frases são fundamentais, e para a criança o manipular materiais é essencial para fixar conceitos. A visualização está para a memorização como a manipulação está para o aprendizado.

Aqui em casa deu muito certo com meus meninos, que adoram ver os slides. Para o uso com Bits deinteligência você pode pegar as imagens do google ou escaneá-las de livros, revistas, etc. Esteja apenas atento para que a imagem seja o mais concreta e objetiva possível, com fundo neutro e sem a presença de outros elementos. Por exemplo, para mostrar o SABIÁ:

Imagem errada (por causa do fundo):

Imagem certa:
Se por acaso você achou uma imagem ótima mas quer retirar o fundo, faça uso de um programa de edição de imagens, como o photoshop. Eu aqui uso o Photofiltre Studio X, que é mais descomplicado e possui ótimas ferramentas. Para tirar o fundo de uma imagem, por exemplo, é só usar a ferramenta que parece uma varinha de condão. Clique nela, depois no fundo, e depois na tecla DEL. Então é só corrigir as rebarbas com a borracha.

O Vegakids aconselha que, na apresentação dos Bits, quando usar power point, você deve saber o nome de tudo que será mostrado, uma vez que não há verso onde você apenas possa ler. Sugere então escrever com letra bem pequena em um cantinho da imagem, mas assegurando-se que as crianças olhem para a imagem, e não para o nome. Se já souberem ler, melhor seria cobrir o nome com algum objeto de forma que só o instrutor leia, pois o normal é que as crianças se fixem no nome e não na imagem.

Para conseguir a intensidade adequada de estímulos, o tamanho da tela do computador ou TV deve adequar-se ao número de alunos:
- Para 15 alunos, tela de 17" ou mais
- Para 20 alunos, tela de 21" ou mais
- Para 25 alunos, tela de 28" ou 32"
O ideal mesmo é usar um projeto de vídeo.

Sobre a fonte a ser usada no power point, veja o comentário abaixo feito pela Kátia Xavier feito a uma mãe que tinha essa dúvida:

"O tamanho da fonte oficial para iniciar na medida do material que vi em espanhol é 250 (arial simples/negrito) para as palavras, os pares de palavras não medi, mas acho que estão em 150 (arial simples/negrito) e as frases em 100. Eu fiz uma tabela com essas medidas entre outras. Agora já modifiquei e ficou assim a última versão:

Sempre em arial simples/negrito.
200 para iniciar as palavras com o recém-nascido
150 para iniciar a partir de 3 meses
120 para iniciar a partir de 8 meses
100 para iniciar a partir de 4 anos

Depois vai diminuindo na medida em que for passando as etapas, até atingir o tamanho mínimo, 80. Conforme a idade da criança, se tiver mais de quatro anos, uso tamanho ainda menor em brinquedos feitos com tampas de maionese, achocolatados, tampas de plástico de vários tamanhos. São jogos da memória, bingo e textos produzidos com a criança, ela fala e eu escrevo, ou adaptados.

Chamo a atenção para a recomendação sobre utilizar sempre letra de imprensa minúscula. É importante para a criança ver dessa forma, principalmente se na escola ela vê apenas a maiúscula.

Um abraço!
Kátia Xavier
"

Vantagens do Power Point:

- Facilidade de manejo.
- Rapidez ideal: um piscar de olhos por Bit.
- A internet é uma fonte inesgotável de Bits sem ter que estropiar os livros.
- São mais rápidos de fazer.
- Duradouros (um backup dura muito mais que cartolinas)
- Facilmente armazenáveis em mídias (CD, DVD, pen drive, HD externo ou interno)
- Intensidade ideal se se dispões de um projetor de vídeo, sem ter que amontoar muitas crianças nem dividí-las em grupos.

Inconvenientes do Power Point:

- Material (hardware e software): o material necessário (monitor grande, projetor, etc. aumentar o custo do programa significativamente, e se der algum problema na mídia onde estavam armazenados os arquivos, a dor de cabeça é grande (isso já aconteceu comigo).

- Frases longas podem não adquirir a intensidade ideal por não caber no slide do power point numa linha só. Uma solução seria fazê-las em um programa de edição de imagens, salvar como arquivo .JPEG e exibir no mesmo programa deslizando a barra de rolagem da esquerda para a direita até mostrar toda a frase.

- O professor necessariamente deve ter conhecimentos de informática.


- FORMAS DE MOSTRAR AS PALAVRAS

Agora vamos às formas menos ortodoxas. Elas podem ser utilizadas para tazer novidade às sessões quando você perceber que as crianças estão se aborrecendo (depois de verificar se o problema não está na velocidade ou tamanho das letras,por exemplo). As sugestões foram na maioria retiradas de mães que aplicam o método na comunidade do orkut "como ensinar seu bebê a ler". Não citarei nomes por uma questão de discrição, mas se alguma dessas mães assim o desejar, é só me comunicar que colocarei o nome com o maior prazer (sempre me admiro com a capacidade criativa das mães!). A idéia deste blog é ajudar outras mães e pais, bem como a professores, não pedi autorização para citar individualmente pois inferir que é desejo de todos os praticantes do método que o mesmo se multiplique e beneficie o máximo de crianças.

1) colocar os cartões no chão um embaixo do outro, e a cada cartão chamado, a criança dá um pulo em cima da palavra. É uma ótima maneira de prender atenção dela na palavra em si, além de divertido!

2) prender os cartões na parede, com uma fita adesiva, e com a criança pendurada nas costas, ir chamando cada palavra e se aproximando de cada ficha. Como se fosse brincando de cavalinho...

3) com a ajuda de outra pessoa, mostrar o cartão e a pessoa (adulto) lê a palavra em voz alta olhando para quem está segurando o cartão, na frente na criança. Isso chama atenção dela, pela conversa.

4) começar a contar uma história usando as palavras na mesma. Quando for falar a palavra do cartão, parar um pouco, pra dar um suspense.

5) Selecionar arquivos com o som das palavras que serão mostradas e colocar depois que falar o seu nome (sons dos animais, por exemplo)***. Na internet você pode achar muitos arquivos de som procurando por "sample sounds mp3 wav" no google.

6) Ficar de pé virada de costas para a criança com as palavras na mão e ir abaixando e mostrando as palavras por as pernas. (Se ficar cansativo acho que pode-se tentar fazer o contrário, sentar e ir subindo com a palavra pelo alto da cabeça, hehehe)

7) Levantar um pouquinho a primeira palavra e fazer um suspense pra chamar a atenção

8) Mostrar os cartões e depois demostrar todos ser levantado pelo pai num super pulo pelos ares.

9) Colar palavras pela casa nos respectios objetos a ue se referem.

10) Comprar uma manta magnética e fazer palavras para a criança pregar num quadro metálico (dica da Ana Júlia)

11) Pendurar palavras por cordões que descem do teto

12) Colar palavras na parede e correr com a criança no colo mostrando rapidamente as palavras

13) No caso dos mapas, fazer uma grande mapa com EVA e brincar de correr de um país ao outro.

Essas foram experiências pessoais que deram certo. Você quer compartilhar alguma conosco? Que tal criar outras formas?

***Tenho uma história engraçada com o item 5. Eu fiz isso com sons da natureza, e na palavra LUA coloquei o som da Sonata ao Luar de Beethoven. Um belo dia fomos para um concerto de piano com meu filho Vinícius e logo que o pianista começou a tocar as primeiras notas da Sonata ao Luar para o auditório no mais profundo silêncio, Vinícius começou a gritar do alto dos seus 1 ano e 7 meses: LUAAAAA, LUAAAAAA, LUAAAAAAAAA enquanto o auditório inteiro se virava para nós...

18 de janeiro de 2011

Programa de Leitura - Construindo uma planilha

Este post é uma resposta à Roberta, que durante as férias me pediu dicas para fazer uma planilha para usar com sua filhinha. Bem, nas férias não fiz nada com os meus meninos; o próprio Doman desaconselha fazê-lo já que férias e viagens não combinam com rotina. Mas aproveitei para ler bastante e fazer material. Espero que este post ajude à Roberta e a outros pais que estão começando com o método.


Minha primeira preocupação ao começar o programa de leitura foi organizar uma planilha com os temas das palavras a serem trabalhadas. Acredito que isso ajuda bastante na hora de preprar o material (cartões ou power points), pois sitematiza o trabalho e dá uma idéia do universo semântico que seu filho vai adentrar. Não acho que essa planilha deva ser algo rígido demais, pois a idéia é usar palavras que sejam interessantes para a criança, e ainda que eu tenha programado mostrar palavras sobre botânica em determinada semana, pode ser que meu filho esteja mais interessado em dinossauros, por exemplo. De qualquer jeito, ter material previamente preparado é uma mão na roda, mesmo que se façam adaptações. E, provavelmente ao longo do ano, ao se familiarizar mais com o método, você fará. Glenn Domam no livro "Como multiplicar a inteligência do seu bebê", na pág. 208 aconselha a ter pelo menos 200 palavras prontas antes de começar a ensinar seu filho, e ficar sempre na frente, oraganizar-se e até parar se for necessário fazer mais materiais para não cair na tentação demostrar materiais antigos e acabar com o inteesse da criança.

Então vamos lá. Como organizar uma planilha?

Optei por começar definindo meus objetivos. Nomeu caso, eles são voltados para o ambiente escolar, então fiz meu plano tendo em vista um ano letivo de 40 semanas de aula. Sendo assim:

1° semestre

1ª semana - 1 categoria = 5 palavras
2ª semana - 2 categorias = 10 palavras
3ª e 4ª semana - 3 categorias = 30 palavras
5ª a 10ª semana - 4 categorias = 120 palavras
11ª semana - 4 categorias + par de palavras = 20 palavras + 5 pares de palavras
12ª a 20ª semana - 4 categorias + 2 conj. de pares de palavras + 1 conj. frases simples = 180 palavras + 45 pares de palavras + 45 frases simples

TOTAL 1° SEMESTRE
365 palavras
50 pares de palavras
45 frases simples (nas quais estão contidas frases de livros a serem confeccionados)

2° semestre

1ª semana - 1 categoria + Saudações (pares de palavras) = 5 palavras + 5 saudações
2ª semana - 2 categorias + 2 conj. de saudações = 10 palavras + 10 saudações
3ª e 4ª semana - 4 categorias + 2 palavras compostas/expressões/títulos (pares de palavras) = 40 palavras + 20 Pc/Exp./Tit.
5ª a 10ª semana - 5 categorias + 2 conj. de Pc/Exp./Tit. + 1 conj. de frases = 150 palavras + 60 Pc/Exp./Tit. + 30 frases
11ª semana a 20ª semana - 5 categorias + 2 conj. de Pc/Exp./Tit. + 2 conj. de frases = 250 palavras + 100 Pc/Exp./Tit. + 100 frases

TOTAL 2° SEMESTRE
455 palavras
15 saudações
180 palavras compostas/Expressões/Títulos e nomes (pares de palavras)
130 frases de 3 a 7 palavras por frase (nas quais estão contidas frases de livros a serem confeccionados)

Mas que categorias trabalhar com a criança?

Para exemplificar a elaboração da planilha, vou fazer a do 1º semestre com base nas sugestões de Glenn Doman no livro "Como multiplicar a inteligência do bebê". Fiz adaptações conforme os objetivos propostos, mas a linha de pensamento é a mesma.

Se temos de ter 365 palavras, dividi assim:

- As primeiras 15 palavras são as "Palavras gostosas", aquelas mais usadas pelas crianças e que remetem a coisas que elas gostam, que lhes causam prazer. Aí podem entrar substantivos, adjetivos, verbos, o que for, a única regra é elas gostarem das palavras. Por exemplo: papai, mamãe, biscoito, passear, leite, amigo, etc.

- 1ª categoria - Partes do corpo - 30 palavras
- 2ª categoria - Objetos da casa (divididos em quarto, cozinha, banheiro, sala, jardim) e Escola - 60 palavras
- 3ª categoria - Objetos de posse da criança/brinquedos - 35 palavras
- 4ª categoria - Alimentos (frutas, doces, comidas gerais) - 45 palavras
- 5ª categoria - Animais (domésticos e selvagens) - 30 palavras
- 6ª categoria - Ações - 50 verbos no gerúndio (terminam em -ando, indo, endo) e infinitivo flexionado (come, bebe, dormiu, rasgou)
- 7ª categoria - Cores - 20 palavras
- 8ª categoria - Adjetivos opostos - 30 palavras em pares (grande - pequeno, cheio - vazio)
- 9ª categoria - Adjetivos gerais - 30 palavras (você vai precisar de muitos adjetivos para formar os pares depalavras)
- 10ª categoria - Advérbios - 30 palavras

- Para conseguir os pares de palavras você vai utilizar todas as palavras acima já vistas, apenas juntando. Não siga a uma lógica estreita, experimente juntar palavras absurdas (cachorro verde), as crianças adoram! Utilize:
1.Palavras conhecidas
2. Saudações
3. Palavras compostas
4. Expressões
5. Títulos de obras de arte, esculturas, compositores, pintores, lugares turísticos, datas comemorativas, etc

- Para conseguir as frases usar as palavras já vistas e acrescentar "está" + verbo ("Mamãe está dançando", "Rafael dormiu")
1. Utilize cartões para a própria criança juntar e formar frases
2. Quanto as sentenças maiores, de 4 a 7 palavras, os outros elementos da frase (artigos definidos e indefinidos, conectivos) não precisam ser mostrados separadamente, pois a criança vai inferindo seu sentido e significado à medida que os lê ("O cachorro verde comeu a bolacha", "Rafael dormiu com o urso")
3. Livros com frases simples já podem ser cosntruídos. Faça em papel cartão de 20 por 45 cm e utilize frases que falem sobre o dia-a-dia das crianças.

Agora vamos à planilha em si:

Construa uma tabela (eu só uso o word e mal, se você souber usar o excel melhor ainda). Utilize 21 linhas e 3 colunas. Na primeira coluna está a semana letiva, na segunda coluna os grupos de palavras soltas agrupados por categorias, na terceira coluna, os pares de palavras ou frases. Cada linha corresponde a uma semana (lembre que estamos fazendo a planilha para o 1° semestre apenas).




As categorias do segundo semestre e anos seguintes serão mais amplas, você pode utilizar qualquer assunto que sua criança goste, e pode ir introduzindo o programa de Bits, ensinando-a palavras e coisas novas. Na verdade elas amarão conhecer novidades. Modifique essa planilha sempre que lembrar de alguns temas que seriam mais apreciados por seus ilhos, por estarem mais dentro de sua realidade, coisas que eles mostrem interesse em conhecer, e utilize sempre temas bem específicos. No meu caso, "Rios e Mares" eu substituí por "Rios do Nordeste": é mais específico e dentro da realidade deles. Também diminuí a quantidade de palavras em cada categoria para apenas 15, assim as crianças poderão ver mais assuntos diferentes,e temas diferentes chamarão sempre sua atenção. No começo tive dificuldade para pensar em categorias, mas à medida que você vai fazendo a planilha vão aparecendo mais e mais idéias, e eu já tenho categorias de sobra para utilizar nos próximos anos do programa.

Deve-se lembrar que o programa de palavras é um caso particular de bits de inteligência, já que relaciona estímulos visuais e sonoros que se repetem com a mesma frequencia que os bits. Portanto podemos utilizar qualquer categoria dos bits de inteligência para usar no programa de palavras. Veja o post com sugestões de temas.


BAIXE AQUI a minha planilha do ano 1, 1° semestre, do programa de leitura.
senha: estimulandomeusfilhos

Programa de Leitura - 6° passo - O alfabeto e mais algumas orientações

(Traduzidoe adaptado de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

6º. PASSO - O ALFABETO

Quando puderem ler algumas palavras novas por si sós, ensine-lhes o alfabeto como se fossem bits de inteligência.

N. T.: Procure formas criativas de apresentar o alfabeto. Se você fizer uma pequena busca pela palavra "Alfabeto" no site do Web Picasa vai encontrar centenas de fontes diferentes, bonitas e divertidas para apresentar às crianças. Algumas idéias preferidas para mim são o móbile com CDs (você cola a figura das letras em CDs inutilizados e forma um móbile - a criança ajuda a construir), a centopéia, que pode ser colada ao longo das paredes da sala de aula, e um border tátil de parede, com caixinhas contendo objetos cuja inical corresponde a uma letra do alfabeto, e que podem ser manipulados livremente pelas crianças, podendo também ser mudados por outros objetos que elas mesmas tragam (vi a foto no google mas não achei mais para postar aqui). Há tanto que pode ser feito! Joguinhos, trabalhos com arte... e livrinhos, claro!

BAIXE AQUI cinco livrinhos com a temática ALFABETO (17 MB).

BAIXE AQUI uma apresentação de Power Point que fiz com letras de alfabeto animadas por gifs (1,3 MB)

senha: estimulandomeusfilhos

O uso dos cartões/sentenciador/power point

Ao invés de usar os cartões de cartolina você pode utilizar o Power Point da mesma forma que para os Bits de Inteligência. O material é muito mais fácil de preparar pois economiza muito tempo e atrai mais as crianças.

Para facilitar a manipulação dos cartões a partir do segundo passo - pares de palavras -, recomenda-se o uso de um setenciador. As crianças logo aprenderão a usá-lo também nos jogos de formar frases e pares de palavras.

Veja o que é um sentenciador, é fácil de fazer:

(fonte: Site da Gilda Rizzo - http://www.gildarizzo.pro.br/alfanat.html)


Flexibilidade do método

Tudo que foi dito até aqui são só detalhes de um programa de leitura intensivo. Você deverá adaptá-lo a suas circunstâncias e possibilidades respeitando sempre os princípios de ensino do método quanto a clareza, concretude, intensidade (tamanho), duração (menos de um segundo), frequência (não mais de 15), etc.

Conselho de Doman

Se você e as crianças não estão se divertindo, pare tudo. Algo está errado. Leia a bibliografia sobre o método de leitura Doman [Veja sugestões ao lado - N.T.] e volte a tentar outra vez.

Colaboração dos pais

Que leiam uma história diária para as crianças, de pelo menos duas ou três páginas se houver muito texto em cada página. Devem cobrir as imagens e ir ensinando com o dedo cada palara que leem, chamando a atenção da crianças para que a olhem. Devem ler sem soletrar, em um ritmo normal de leitura, e parar nas palavras do vocabulário básico esperando um pouco para ver se a criança a reconhece e diz. Se ela disser, devem expressar admiração e carinho pela criança, com expressões festivas. Se não disser, devem dizê-la imediatamente e continuar a leitura. E o mesmo quando uma palavra se repetir muito ao longo da história.

Se os pais não colaboram o professor pode fazer isso escaneando os livros e mostrando-os em uma tela grande (Sentenciador, TV ou projetor).

Programa de leitura - 5° Passo - Leitura de um livro "de verdade"

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

5º. PASSO - LEITURA DE UM LIVRO "DE VERDADE"

Este passo é o que as crianças mais gostam portanto você deverá tentar chegar a ele o quanto antes. O ideal é estar nele quando chegar às letras de 2,5 ou 2,2 cm pretas e já se passou por cada um dos níveis anteriores.

Escolha um livro que se ajuste às seguintes características:

- Divertido ou interessante para as crianças
- Vocabulário de 50 a 100 palavras.
- Uma frase por página de não mais que o número de palavras do nível em que se encontra a criança.

- Letra de não menos que a altura do nível em qeu está.

- Texto precedendo a ilustração e separado dela (ou cubra a ilustração e não a mostre até que tenha lido o texto dessa página)

Se não encontrar um livro com essas características, faça-o você mesmo usando as seguintes instruções:

- Escolha um livro simples e divertido ou interessante para as crianças

- Faça um livro baseado no anterior como você fez nos passos 3 e 4, que cumpra as seguintes características:

- Vocabulário não superior a 100 palavras

- Uma frase por página

- Cada frase deve ter um número de palavras menor ou igual ao nível em que a crianças esteja

- O tamanho das letras deve ser correspondente ao nível em que a criança esteja

- Desenhe, recorte ou escaneie as ilustrações do livro original para usá-las no que está fazendo

- Lembre-se que só se usa a face posterior de cada página, e que numa página se coloca uma frase e na seguinte a ilustração correspondente à referida frase.


Elabore cartões de palavas soltas (letra de 7,5 cm) com as palavras novas que apareçam nesse livro e com as outas para completar os grupos das categorias a que pertençam, já que as palavras oltas serão ensinadas sempre em grupos de 5 palavras pertencentes À mesma categoria.

Ensine essas palavras fazendo o seguinte programa diário:


· 5 grupos de 5 palavras cada um, 3 vezes ao dia durante 5 dias

· 2 grupos de 5 frases do nível em que a criança está, 3 vezes ao dia durante 5 dias

· jogo de formar frases, 1 vez ao dia pelo menos duas vezes por semana

· momento de deixar as crianças lerem os livros já ensinados, várias vezes na semana.

Quando terminar leia o livro fazendo o seguinte programa diário:


· 5 grupos de 5 palavras novas, 3 vezes ao dia durante 5 dias

· Leitura do livro inteiro, 3 vezes ao dia durante 5 dias veces al día durante 5 días

· jogo de formar frases, 1 vez por dia pelo menos 2 vezes por semana

· momento para deixar as crianças lerem os livros já ensinados, várias vezes durante a semana.


A leitura do livro se realiza da seginte forma:

- Apresente o livro aos alunos página por página

- Leia em voz alta, com entusiasmo e voz de quem está contando algo muito interessante

- Evite soletrar ou ler muito devagar

- Passe as páginas com agilidade mas ao lê-las coloque-as em posição vertical e mantenha-nas fixas.

As crianças hão de limitar-se a seguir com os olhos as palavras do texto.

Escolha livros com um vocabulário cada vez mais amplo, com letras menores e com mais palavras por frase, sempre tendo o cuidado de não fazer mais de uma mudança por vez para poder voltar um passo atrás caso as crianças não estejam preparadas para ir adiante.

Faça ou use muitos, muitos livros e deixe-os na estante no 5° dia da semana para que as crianças possar ler e reler quando quiserem.

NOTA PARA OS PASSOS 4 E 5: Quando chegar às letras de 2,5 cm, você deverá ensinar os cartões e livros de forma que todas as crianças possam vê-los à distância normal de leitura. Para que isso seja possível, talvez seja preciso ensiná-los por grupos ou por mesas.

DICA

Você PODE BAIXAR AQUI alguns livrinhos para serem usados na confecção dos livros de suas crianças. Alguns deles se adaptam razoavelmente bem às regras acima, outros precisam ser "reescritos", alguns têm apenas imagens, dê uma olhada e personalize o seu. Eles servem principalmente de inspiração para que você crie os seus próprios, levando em conta os gostos do seu filho (ou alunos). Estarei sempe colocando novos livrinhos aqui no blog, que você poderá acessar através do marcador LIVRINHOS aí ao lado direito.

Livros Passo 5.rar (98 MB - 36 livrinhos)

senha: estimulandomeusfilhos

Programa de leitura - 4° passo - Frases mais longas

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

4º. PASSO - FRASES MAIS LONGAS

Este passo é similar ao anterior, mas agora nos cartões de frases e nos livros:

- diminua o tamanho das letras
- aumente o número de palavras
- e passe a escrever as palavras na cor preta ao invés de vermelho

Faça-o gradualmente e tendo o cuidado de não fazer mais de uma mudança por vez. Por exemplo, você pode estabelecer os seguintes níveis:

1. Faça frases de três palavas e letas de 5 cm vermelhas;
2. Faça frases de quatro palavras e letas de 5 cm vermelhas;
3. Faça frases de cinco palavras e letras de 5 cm vermelhas;
4. Faça frases de cinco palavras e letras de 3,5 cm vermelhas;
5. Faça frases de cinco palavras e letas de 2,5 cm vermelhas;
6. Faça frases de seis palavras e letras de 2,5 cm vermelhas;
7. Faça frases de seis palavras e letras de 2,5 cm pretas;
8. Faça frases de seis palavras e letras de 2,2 cm pretas;
9. Faça frases de sete palavras e letras de 2,2 cm pretas;

E assim sucessivamente até chegar ao tamanho normal de letra de livro. Você pode ir reduzindo os tamanhos das letras bem pouco a pouco, por exemplo, entre 5cm e 3,5 cm passe pelos tamanhos 4,5 e 4 cm.

Assegure-se de que todas as crianças distinguem bem as palavras após cada nova mudanças, pois o normal é que tenham diferentes níveis de maturação do canal visual. Se notar ue alguma perde a atenção ou não acerta quando você pede para escolher entre dois cartões, volte ao nível anterior.

Tanto nos livros como das frases use cartolinas coma largura necessária para que a frase caiba numa só linha.

As palavras de união (conjunções, preposições, artigos etc.) não precisam ser ensinadas como palavras soltas pois as crianças as aprenderão nas frases.

Não esqueça de formar frases divertidas e absurdas para que as crianças riam e se divirtam.

Jogue o jogo de formar frases aumentando gradualmente o número de palavras. Para isso você precisará fazer uns cartões com as palavras de união a 7,5 cm que não é necessário que sejam ensinadas previamente. Quando houver esgotados todas as possibilidades de formar orações com o vocabulário básico ou quando as crianças se aborrecerem de usar sempre as mesmas palavras, você pode escolher palavras sotlas já ensinadas para adicionar ao jogo de formar frases.

RESUMO: Programa diário do 4º passo




· 5 grupos de 5 palavras soltas cada um, 3 vezes ao dia durante 5 dias


· 1 grupo de 5 frases, 3 vezes ao dia, durante 5 dias


· 1 capítulo de livro, 3 vezes ao dia, durante 5 dias


· jogo de formar frases, 1 vez por dia, pelo menos 2 vezes por semana


· momento para deixar as crianças lerem os livros já ensinados, várias vezes na semana, dependendo do número de livros que houver.




Neste passo também se pode ir reduzindo o tamanho das palavra soltas e passar à cor preta desde que as crianças continuem prestando a mesma atenção e aprendendo as palavras com a mesma facilidade.



DICA
Você pode encontrar maneiras criativas de jogar o jogo de formar frases. Uma delas é fazer um dominó de frases como o da figura abaixo. Se acha que a criança já é capaz de entender a regra do jogo de dominó, escolha suas palavras preferidas e faça seu jogo personalizado seguindo as instruções quando ao tamanho, fonte e cor das letras.

Programa de leitura - 3° passo - Frases simples

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA", Adaptado de "Como Multiplicar a inteligência do seu bebê", de Glenn Doman, cap. 17 "Como ensinar seu bebê a ler")

3º. PASSO: FRASES SIMPLES

Continue ensinando novas palavras como no primerio passo. Forme orações de 2 palavras (nome - verbo, verbo -advérbio) ou 3 palavras (sujeito - verbo de ligação - verbo no gerúndio) comas palavras do vocabulário báscio e as escreva em cartões do tamanho do passo anterior, mas com letras de 5 cm de altura.

Agrupe as frases em 5 orações cada uma e ensine um grupo 3 vezes ao dia durantes 5 dias.

Exemplo:

Corre muito
Anda devagar
Mamãe está bebendo
Papai come
Rafael dormiu

Faça livros de frases simples usando o vocabulário básico. Leia um capítulo do livro 3 vezes ao dia, durante cinco dias.

Os livros são feitos da seguinte maneira:

- As páginas são cartolinas de 20 cm por 45 cm (ou mais largas se for necessário para que em cada folha só haja uma linha de texto), presas com argolas ou espiral de encadernação.

- Só se utiliza a face posterior de cada folha.

- Em uma página se escreve uma frase simples dtirada do vocabulário básico com letras vermelhas de 5 cm, e na página seguinte se coloca a ilustração ou foto correspondente à referida frase.

- O livro terá um ou vários capítulos. E cada capítulo terá 10 páginas (5 de frases e 5 de ilustrações). Uma forma muito fácil de fazer esses livros é fazer fotos de cada uma das crianças fazendo o que indicam os verbos do vocabulário básico."Uma boa idéia é fazer do seu primeiro livro um simples diário de suas atividades" (Glenn Doman)

- Anuncie cada livro com grande alegria e entusiasmo. Depois deixe-os à mão para que as crianças possam voltar a lê-los sozinhas.

Jogue o jogo de formar orações simples: como s verbos do vocabulário básico faça cartões de 7,5 cm na terceira pessoa do singular do presente do indicativo. Faça grupos com estes verbos e outro com os nomes do vocabulário básico (os nomes das crianças, mamãe, papai, etc) que possam ser sujeitos na frase. Forme diante das crianças 3 a 5 frases simples usando uma palavra de cada grupo e leia-as.
Incentive as crianças a formarem suas próprias frases manipulando eles mesmos os cartões. Se as crianças quiserem, você pode repetir o jogo tantas vezes quantas queiram.

Outro jogo possível é o proposto por Glenn Doman na pág. 227 de "Como multiplicar a inteligência do seu bebê". Faça um grupo com os nomes das pessoas ou animais, outro grupo com frases no gerúndio (comendo, dormindo, sorrindo, correndo, etc.) e um grupo com vários verbos de ligação "está". Então é só escolher e formar frases como "Ana está subindo", "Juca está descendo", etc.

RESUMO: Programa diário do 3º passo



· 5 grupos de 5 palavras novas cada um, 3 vezes ao dia, durante 5 dias

· 1 grupo de 5 frases simples, 3 vezes ao dia, durante 5 dias

· 1 capítulo de um livro, 3 vezes ao dia, durante 5 dias

· jogo de formar frases simples, pelo menos uma vez por dia

· momento para deixar as crianças lerem os livros já ensinados, várias vezes na semana, dependendo do número de livros que houver.


Ao invés de 1 grupo de cinco frases e 1 capítulo de livro você pode fazer:
- 2 capítulos de livro ou
- 2 grupos de 5 frases ou
- 3 grupos de 3 orações

Se as crianças se aborrecem no 4º ou 5º día porque já sabem as frases, retíre-as no 3° ou 4° dia ou ensine-as somente 2 vezes durante os 5 dias da semana.

Faça primeiro todas as frases simples que utilizando apenas palavas do vocabulário básico para dar segurança às crianças. Se precisar ficar mais tempo nosegundo passo e já fez todas as combinaçõe spossíveis com as palavras do vocabulário báscio ou se as crianças se aborrecerem por usarem sempre essas mesmas palavras, então use outras palavras que você já ensinou, de preferência as últimas, ou ensine as palavras soltas que queira usar nas frases.

Programa de leitura - 2° Passo - Pares de palavras

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

2º. PASSO: PARES DE PALAVRAS:

Logo que houver ensinado as palavras do vocabulário básico, comece este segundo passo ao mesmo tempo que continua ensinando nova spalavras como no primeiro passo.

É melhor usar palavras que se refiram à realidade em torno das crianças, que evoquem imediatamente a imagem correspondente na mente deles e que provoquem neles emoção, imaginação e interesse.Para tanto, há de se levar em conta os gostos e fixações das crianças [todas as mães sabem que de tempos em tempo eles ficam obcecados por umpersonagem ou um tema - N.T.]. Não obstante, não é necessário que conheçam o significado de todas as palavras.

Forme pares de palavras (substantivo - adjetivo) com as palavras do vocabulário básico e as esvreva em cartões, da mesma forma que fez com as palavras soltas, mas agora as cartolinas devem ser mais largas:60 cm ou a largura necessária para que caiba o par masi largo do grupo.

Agrupe os pares de palavras em grupos de cinco pares cada um e ensine dois grupos 3 vezes ao dia durante 5 dias.

Exemplo:

1ª semana

primeiro grupo:
nariz grande
perna fina
cabelo preto
mão suja
olhos verdes

segundo grupo:
blusa branca
vestido roxo
sapato cinza
luva rosa
elefante amarelo


2ª semana

primeiro grupo:
boneca bonita
cabelo comprido
boca grande
papai alto
leite quente

segundo grupo:
boneca feia
cabelo curto
boca pequena
papai baixo
leite frio

Se observar que cinco pares parece muito cansativo para as crianças, faça 3 grupos de 3 pares cada um.

Para captar a atenção das crianças, você pode usar pares absurdos que divirtam-nas, por exemplo: Elefante amarelo.

Pode ser que as crianças se aborreçam ao 4° ou 5° dia de ver estes cartões. Neste caso, retire os cartões no 3° ou 4° dia e os ensine só duas vezes durante os cinco dias da semana.

Você também pode ensinar expressões de duas palavras, por exemplo, "Bom dia", "Por favor", "Até logo", "Muito obrigado", "De nada", "Que divertido!", "Olá, Maria", "Adeus, Davi". Ensine da mesma forma que os pares substantivo - adjetivo. Utilize expressões que as crianças gostem como "Que bonito!". Ensine antes, nas palavras soltas, os substantivos, adjetivos e, advérbios que as formam.

As preposições, conjunções, artigos e demais palavras de união não precisam ser ensinadas no primeiro passo. São usadas diretamente.

Em todos os passos os cartões (palavras, pares e frases) são escritos corretamente desde o princípio com acentos, maiúsculas, sinais de pontuação, exclamação, interrogação, etc. correspondentes. Você não precisa dar explicações à criança pois ele poderá ver seu uso prático em muitos exemplos e sozinho deduzirá a função de cada um.

Jogo de formar pares:

Com as palavras soltas do vocabulário básico faça dois grupos: um de substantivos e outro de adjetivos. Forme diante das crianças um par e o leia. Forme de 2 a 5 pares e incentive as crianças a formarem pares escolhendo uma palavra de cada grupo. Pare o jogo antes que elas queiram parar. Desta forma sempre desejarão jogar.

Jogue com as crianças o jogo dos pares pelo menos uma vez por dia (alémd e ensinar as palavras e pares correspondentes desse dia). Se as crianças desejarem você pode repetir o jogo tantas vezes quanto elas queiram.


RESUMO: Programa diário do 2º passo

· 5 grupos de 5 palavras soltas novas cada um, 3 vezes ao dia durante 5 dias
· 2 grupos de 5 pares ou expressões, 3 vez ao dia durante 5 dias
· jogo de formar pares, pelo menos 1 vez por dia

17 de janeiro de 2011

Programa de Leitura - 1° passo - Palavras soltas

(Traduzido de "LOS MÉTODOS PARA EL DESARROLLO DE LA INTELIGENCIA DE
LOS INSTITUTOS PARA EL DESARROLLO DEL POTENCIAL HUMANO DEL
DR. GLENN DOMAN APLICADOS A LA ESCUELA")

1º PASSO - PALAVRAS SOLTAS:

OBJETIVOS DO PRIMEIRO PASSO

Os objetivos deste passo são que a criança:
- descubra com prazer que cada palavra tem um significado;

- aprenda um vocabulário básico que lhe permita continuar com os outros passos e lhe dê confiança

- aprenda a ler palavras novas cada dia enquanto continua com os outros passos até que descubra com grande alegria que pode ler qualquer palavra por si só. Isto conseguirá quando se der conta de que há unidades comuns e repetidas - as letras e as sílabas nas palavras que tem aprendido que se pronunciam igual às palavras novas. [Isso pode parecer bem complicado para nós, adultos, mas as crianças estão criando e recriando as regras de seu próprio idioma constantemente, sem nenhuma aula teórica de português. Observo meu filho dizer que "Fazeu algo", ou "Já comei", e penso como ele está atento, refletindo, elaborando e reelaborando regras sobre seu idioma, e eu não lembro a última vez que fiz isso - N. T.]

- Desenvolva uma grande memória visual pela qual necessitará de um esforço cada vez menor no estudo de novos dados, com o que aumentará su acapacidade de aprendizagem desta língua e de outras.

ELABORAÇÃO DOS CARTÕES DE PALAVRAS SOLTAS

Escreva essas palavras em cartões de acordo com as seguintes indicações:

- Use cartolina rígida [papel cartão], não brilhante, de de 10 x 40 cm.
- Tamanho da letra: 7,5 cm de altura.
- Letra de imprensa (como as dos livros), vermelha, larga (de 1,2 cm ou mais). P. Ex.: fonte Arial negrito.
- Separação entre as letras 0,75 cm ou mais.
- Centralize a palavra na cartolina de forma que a distância entre as letras e as bordas superior e inferior seja de 1,25 cm.
- As letras devem ser minúsculas, exceto nos nomes próprios.

As 5 palavras agrupadas em uma mesma categoria podem ser cortadas em bloco à direita e à esquerda, de modo que a maior palavra esteja separada ao menos 1,75 cm das bordas direita e esquerda. Desta forma o manejo fica mais fácil.

Este tamanho de cartão, márgens, tipo de letra e grossura da mesma estão estudados para conseguir que o estímulo seja de grande intensidade (superior aos limites de percepção visual nas crianças), visto de uma distância de 50 cm por todos os alunos.

O normal é que aos dois anos todas as crianças tenham a maturidade visual suficiente para que consigam distinguir as palavras deste tamanho a 50 cm de distância. Não obstante, quando houver ensinado as primeiras 50 palavras, se deseja assegurar-se de que a maturidade do canal visual de todas as crianças é suficiente faça o jogo de escolher palavras. Se notar que alguma crianças sempre tem dúvida ou fala muito aconselhe seus pais a procurar um oftalmologista. Se não tiver nenhum problema de visão, faça cartazes maiores e vá reduzindo paulatinamente o tamanho. Isto acelerará a maturação do canal visual.

Se o número de alunos é tal que não é possível que todos vejam os cartões a 50 cm, então você pode optar por uma das seguintes soluções:

- Aumentar o tamanho dos cartões e das letras proporcionalmente a distância a que vão vê-los os mais afastados. Assim, por exemplo, se a distância que vão vê-los é de X cm, então o tamanho das letras, cartolinas e demais distâncias se calcula com regra de 3 simples: cartolinas de 10X/50 cm de altura ou mais e grande o suficiente para que a maior palavra fique com pelo menos 1,75X/50 cm à esquerda e à direita. Letras de 7,5X/50 cm. Grossura da letra 1,2X/50 cm. Separação entre letras de 1,25X/50 cm. Centralize a palavra na cartolina de forma que a separação entre as letras e as bordas inferior e superior seja de 1,25X/50 cm ou mais.

- Ensinar por grupos (de não mais que 15 crianças). Neste caso, coloque as crianças o mais juntos possível em filas de alturas diferentes (sentados, de joelhos, de pé) para que todos tenham uma boa visibilidade e mudar a posição das crianças a cada sessão.

- Ensinar toda a classe (colocando as crianças como descrito acima), tendo em conta que o programa perde a eficácia pois o estímulo perde a intensidade.


ORIENTAÇÕES DIVERSAS

Nunca teste as crianças. Confie que eles aprendem o que lhes ensinam pois você está ensinando da forma adequada.Se deseja conhecer o grau de efetividade do método e ver se tudo vai bem (não mais que 4 vezes por ano), invente um jogo em que cada criança deve escolher entre duas palavas que você ensinou na semana anterior (a criança não deve ter faltado nenhum dia da semana):

- Se acertar, elogie efusivamente.
- Se ficar em dúvida, diga qual é o cartão correto antes de 10 segundos.
- Se não acertar, diga qual o correto fazendo-o entender que ele já o sabia: "Não é mesmo? Muito bem, aqui está escrito ...".

Você não está examinando a criança e sim o grau de efetividade do método para a circunstância concreta de que não lhe seja possível conseguir a intensidade ideal. Para tanto, faça com que a criança desfrute deste jogo sem sentir testada.

Antes de cada sessão embaralhe as palavras dentro de cada grupo e mude a ordem que apresenta os grupos.

Evite sempre colocar sucessivamente duas palavras que comecem com a mesma letra ou sílaba.

Não ensine nenhuma palavra mais que essas 15 vezes (3 vezes ao dia durante 5 dias). Desta forma você está repetindo os estímulos o número de vezes necessário para que gravem bem, sem aborrecer as crianças com mais repetições que as necessárias. Não obstnate, algumas crianças podem necessitar de menos estímulo, e deixam de vê-las aos 3 ou 4 dias na última sessão do dia.

Quando for ensinar os verbos, você pode encenar cada ação depois de mostrar a palavra e fazer que as crianças as encenem mas sem que saiam dos seus lugares.

Busque sempre o momento oportuno em que as crianças estejam tranquilas, descansadas e seja mais fácil captar sua atenção. Enquanto ensina as palavras você deve estar atento a todos eles para controlar a ordem, deixar mais ou menos intervalo de tempo entre um grupo e outro e observar se escolheu um bom momento. Se não, deixe o jogo de palavras antes que eles queiram deixá-lo.

Adapte o programa ao ritmo da classe. Por exemplo, se na 4ª semana , ao passar de 3 a 4 grupos, você vê que as crianças não te acompanham, então ensine só 3 grupos durante várias semanas e volte a experimentar ensinar 4 grupos. E assim sucessivamente. (É preciso ensinar menos grupos de palavras que eles queiram ver e deixá-los sempre com um "gostinho de quero-mais").

Se não consegue captar a atenção das crianças, tente passar as palavras mais rápido, usar palavras mais chamativas, difíceis, divertidas ou de interesse para as crianças, buscar outro momento, solucionar o problema de manter a ordem e a disciplina em classe se este for o caso. Se ainda assim continua tendo problmeas, leia a bibliografia referente ao método Doman, tanto em sua parte filosófica como técnica para descobrir o que você está fazendo errado.

Quando terminar de ensinar todas as palavras do vocabulário báscio, continue ensinando outras palavras novas ao mesmo tempo que começa o segundo passo.

Em qualquer momento você pode retomar uma categoria da qual você já ensinou um grupo de palavras. Essas palavras novas serão:

- palavras que as crianças gostem ou despertem seu interesse
- palavras novas que apareçam nas expressões que você utilizará no segundo passo
- palavras novas que sejam necessárias ao 4° passo
- palavras novas que apareçam no livro que você vai usar no 5° passo
- palavras novas que você necessite adicionar às anteriores para formar os grupos de 5 palavras de uma mesma categoria

Faça uma agenda alfabética de todas as palavras soltas que está ensinando. Desta forma você poderá saber facilmente quais palavras de cada livro são novas.

Utilize as palavras ensinadas neste 1° passo:

- para os passos seguintes,
- para colocá-las junto ao objeto correspondente na classe, nas carteiras de acordo com o nome de cada criança, nos contos, poesias, etc,
- para o jogo de cubos de letras (forma palavras já vistas e ajuda as crianças a formar algumas novas) - para qualquer outra situação que lhe ocorra: contos, histórias no final da aula, etc.

Procure ir sempre com ao menos dois meses de antecipação na preparação do material para poder fazer um programa constante e evitar atropelos. Por exemplo, você pode preparar durante o curso as palavras do curso seguinte.

COMO ENSINAR

VEJA NESSE POST como ensinar o primeiro passo na adaptação para o AMBIENTE ESCOLAR.


RESUMO: Programa diário do 1º passo


· 5 grupos de 5 palavras cada um, 3 vezes ao dia, durante 5 dias.

11 de janeiro de 2011

Reflexões pedagógicas sobre o método Doman

Este post vai como resposta ao contato da Tayane, que disse estar, como eu, pensando num projeto para incluir a metodologia Doman no sistema de ensino regular. É um trabalho hercúleo fazer as próprias pessoas da área da Educação compreenderem que não se trata de colcoar as crianças numa caixa de Skinner. Mas enquanto estudamos encontramos muito material que pode ser usado como material teórico para apoiar o método.

As reflexões que seguem abaixo eu anotei enquanto estudava par aum concurso de professor de Artes aqui em Recife. Sempre que me aparecer algo que remeta ao método, eu vou "recortar" e colocar aqui, para que possa ser usado como fundamentação teórica em projetos. Não se trata (ainda) de escrever artigos e ensaios sobre o assunto, mas de recolher matéria-prima que possa ser trabalhada. As partes em itálico são comentários meus.

1 - FUNÇAO SOCIAL DA ESCOLA

As citações que se seguem devem ser consideradas no contexto de um país onde, com base em dados de 2007,1,3 milhão das crianças de 8 a 14 anos de idade não sabem ler e escrever, apesar de 1,1 milhão freqüentar estabelecimento de ensino.Entre os alunos de 14 anos, que deveriam estar em vias de concluir o Ensino Fundamental, 46,8% não sabem ler e escrever apesar de freqüentarem a escola. Um país onde a taxa de abandono escola é de 3,2% no ensino fundamental e salta para 10% no ensino médio.

Com uma realidade como esta nenhum método de ensino que se proponham a ensinar a ler precocemente e mais que isso - que se proponha estimular o gosto pelo aprendizado - deveria ser descartado antes de ser bem estudado, antes de se analizar os resultados práticos já existentes. Até porque esses dados estatíticos recaem sobre a parcela mais pobre da nossa população, a parte do povo que está subjugada pela ignorância, e impedida pela falta de uma Educação de qualidade, de mudar os rumos de sua situação social. Estamos falando de crianças que se tornarão futuros operários reprodutores de um sistema econômico injusto, crianças marcadas para continuarem a perpetura a miséria, e que poderiam, através do Conhecimento, quebrar essa cadeia de opressão.


“Ao possibilitar aos alunos o domínio dos conhecimentos culturais e científicos, a educação escolar socializa o saber sistematizado e desenvolve capacidades cognitivas e operativas para a atuação no trabalho e nas lutas sociais pela conquista dos direitos de cidadania. Dessa forma, efetiva a sua contribuição par aa democratização social e política da sociedade.

Há pois um trabalho pedagógico-didático a se efetivar dentro da escola que se expressa no planejamento do ensino, na formulação dos objetivos, na seleção de conteúdos, no aprimoramento de métodos de ensino, na organização escolar, na avaliação. Ligar a escolarização às lutas pela democratização da sociedade implica pois que a escola cumpra a tarefa que lhe é própria: prover o ensino. Democratização do ensino significa, basicamente, possibilitar aos alunos o melhor domínio possível das matérias, dos métodos de estudo, e , através disso, o desenvolvimento de suas capacidades e habilidades intelectuais, com especial destaque à aprendizagem da leitura e da escrita. (...) Os conhecimentos científicos e técnicos progridem num ritmo acelerado, pondo exigências à escola no sentido de reduzir a distância entre o conhecimento comum, popular, e a cultura científica. Daí a importância de elevar o ensino ao mais alto nível contribuindo para colocar de maneira científica os problemas humanos.

Isto implica que a escoloa deve interagir continuamente com as condições de vida da população para adaptar-se às suas estatégias de sobrevivência, visando impedir a exclusão e o fracasso escolar."

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, (Coleção magistério Série Formação do professor). 20008. p. 34 – 42

2 - TEORIA DA APRENDIZAGEM

É incrível como é difícil, na Educação Infantil, fazer os profissionasi se abrirem para novos métodos. Prevalece a lei do mais fácil. Do mais cômodo. Do "aprendi-assim-e-já-faço-assim-há-muitos-anos". E porque essas crianças ainda não tem capacidade de criticar (pelo menos não em bom "pedagogiquês", elas só bocejam, gritam, choram ou silenciam catatonicamente), muito lhes é empurrado goela abaixo de forma irresponsável, sem levar em conta a repercussão de metodologias equivocadas a longo prazo. Pena que muito sobre Teorias Cognitivas da Aprendizagem não passem do meio acadêmico e seu fechado círculso de intelectuais, para a prática cotidiana - e carente - da vida escolar.

“Nas teorias cognitivas de aprendizagem, categorizar ou organizar o mundo em conceitos é requisito para o desenvolvimento de raciocínios e abstrações mais complexas sobre objetos, situações e fenômenos. É também condição para transferências bem sucedidas de aprendizagem e de construção significativa da realidade social.

Entendemos que desde a Educação Infantil deve ser promovido desenvolvimento de recursos cognitivos associados com apropriação da cultura e da expressão da criança sobre seu mundo, constituindo bases intelectuais e de expressividade para um ensino fundamental e médio mais reflexivo e crítico. (...) Recursos cognitivos como memorizar, comparar, associar, classificar, interpretar, hipotetizar, julgar, etc, combinados com os níveis cognitivos compreensão e reflexão (e suas derivações), permitem visualizar estratégias de aprendizagem que possibilitem essa educação ativa e crítica. A dimensão afetiva também deve ser considerada com impulsionadora de uma vontade de conhecer e compreender melhor o mundo vivenciado."

(por Ruben de Oliveira Nascimento, no ensaio "Processos cognitivos como elementos fundamentais para uma educação crítica")

3 - VYGOTSKY

Vygotsky, assim como Doman, acredita muito na influência do meio social sobre o aprendizado da criança. E muitos dos conceitos desenvolvidos pelo primeiro quanto a Linguagem e Aprendizagem, vem dar fundamento a metodologia do segundo. É fácil adotar Doman numa escola sócio-construtivista - as professoras lá já ensinam as crianças a ler olhando os rótulos dos alimentos e produtos de higiene. As semelhanças e diferenças entre esses dois teóricos dão uma boa dissertação de metrado, não?

“As atividades centradas no referencial vygotskiano consistiram em levar em conta não só aprendizagem apoiada na maturação do aluno, mas naquilo que ainda não está maduro nele e oferecer-lhe possibilidades (mediação) para ultrapassar barreiras decorrentes dessa imaturidade.

Para toda a psicologia da aprendizagem é a possibilidade intelectual a possibilidade de passar daquilo que a criança consegue fazer para aquilo que ela não consegue fazer, e isto que se constitui o conteúdo do conceito de Zona de desenvolvimento proximal."

MANECHINE SANTIAGO, S. (1); CALDEIRA ANDRADE, A. (2) y ROCHA BRANDO, F., no artigo "A interação sócio/afetivo/cultural num contexto de ensino e aprendizagem: uma abordagem vigotskiana"