25 de fevereiro de 2011

Coro Infantil - importância e materiais para trabalhar

Um mimo para Arisla e para aqueles que trabalham com coro infantil.

"Não há dúvida de que os pais, e as pessoas responsáveis por crianças, podem contribuir muito para a educação musical das crianças pequenas individualmente em casa, mas está provado que a melhor forma de elas adquirirem competências em audiação preparatória [tipo de musicalização] é em grupo. Com a orientação competente de um adulto, as crianças parecem aprender muito umas com as outras" (Edwin Gordon - Teoria de aprendizagem musical para recém-nascidos e crianças em idade pré-escolar. P. 179)

Tal como outras habilidades cognitivas, a percepção musical da criança deve ser trabalhada em grupo também, imprescindivelmente.

"O Coro infantil trabalha a sensibilidade - afetiva e musical - a capacidade de concentração, desenvolve o raciocínio lógico e a memória. Trabalhar com a música, principalmente em grupos, faz com que as crianças sejam induzidas à ordem, disciplina, organização e ao respeito pelo próximo.

O objetivo do coro deve ser desenvolver na criança a confiança em si mesma ao cantar, adquirindo a técnica necessária para o manejo adequado da voz e valorizando a própria produção vocal e a dos outros; cantar respeitando as diferenças e limitações próprias e dos seus pares, mas também a utilizar o canto como um meio de comunicação.

A vivência musical torna-se algo divertido e agradável para as crianças, as quais aprendem a se comunicar melhor através de diferentes habilidades, estimulando a coordenação motora e a criatividade, abrindo portas para novas informações."

(Adaptação do artigo "Coral Infantil - importância da música para o desenvolvimento dentro e fora da escola" - acessado em 25/02/2011 em http://www.jornalfloresta.com.br/pdf/2010novembro/pg8.pdf)

Uma das principais queixas de regentes de coro infantil é a dificuldade de achar materiais próprios para trabalhar as vozes das crianças. A pesquisa na internet pode ajudar bastante, mas requer tempo e paciência. Por isso eu gostaria de indicar dois ótimos trabalhos:

1 - Um teórico
Apostila em espanhol (mas facilmente compreensível) discorre sobre diversos aspectos do coro infantil, desde a formação do regente, meios de trabalho, orientações sobre as vozes infantis, interpretação, registro, plano de ensaio, sugestões quanto a letra, melodia (tessitura), ritmo , harmonia, metodologia do ensino de canto, classificação vocal, objetivos educacionais, pontos sobre disciplina e algumas partituras (cristãs). Um trabalho muito bem feito e completo.

BAIXE AQUI a apostila "Coros de niños - su formación e trabajo".

2 - Um prático
Muito interessante o trabalho da Telma Chan. Em seu site pode-se ter idéia da vasta experiência criativa dela com os coros infantis.

BAIXE AQUI um de seus livros/CD para coro infantil e não deixe de prestigiar a autora adquirindo mais materiais no site.

23 de fevereiro de 2011

Brinquedos musicais eletrônicos

Muitos pais os abominam, e quando o filho ganha um de presente correm para escondê-lo em cima da prateleira mais alta (tive uma babá que fazia isso kkkk). Depois de cinco minutos ouvindo um brinquedo musical eletrônico apitando uma melodia estridente e repetitiva no ouvido, realmente a vontade é de arrancar as pilhas do trocinho, embora, inacreditavelmente, as crianças costumem adorar esses brinquedos (com adoram tudo que faz barulho).

Este post, porém, é para defendê-los: sim, é possível estimular bem os seus filhos mesmo usando brinquedos musicais eletrônicos. Basta saber escolher utilizando alguns critérios:

1 - Existem basicamente dois tipos de sons eletrônicos: os sons MIDI e os sons SAMPLE. Os primeiros são sons sintetizados em computador, ou seja, a frequência de som original é reproduzida artificialmente. É como tomar um suco de morango feito com aqueles pozinhos coloridos. É gostosinho, cheirosinho, as crianças adoram mas... não é suco de morango. Já os sons sampleados são gravações de sons naturais, que podem ou não ser mixados para formar uma música. Na escolha dos brinquedos musicais eletrônicos, privilegie a segunda escolha, os sons sampleados, porque eles utilizam sons naturais, verdadeiros, e são estes que vão desenvolver melhor a percepção auditiva do seu filho ou aluno - mesmo levando em conta que hoje existem sons midi de excelente qualidade sonora, tal como existem alimentos artificiais ricos em vitaminas. Em ambos os casos, prefira sempre o natural. Procure por esta informação na descrição do brinquedo em sua embalagem. Abaixo alguns exemplos de brinquedos que usam sons reais musicais (clique na foto para ver descrição completa).
Groove para bebês que utiliza sons reais (especialmente vozes) à medida que é movimentado.

Os brinquedos da marca Kiddieland usam sons reais de instrumentos. O laptopo da foto eu tenho e acho uma graça. Possui um joguinho de raciocínio lógico bem interessante para crianças de dois anos.

Paper jamz é tão realística que cativa até guitarristas de verdade.

2 - Dê preferência a brinquedos que permitem a criação. Na realidade, os brinquedos que tem melodias pré-gravadas e que se repetem ad nauseam não têm muito a acrescentar à inteligência de uma criança. Ela certamente apreciará a relação causa/efeito de apertar um botaozinho e ouvir um som, e fará isso muitas e muitas e muitas vezes porque gosta de sentir que tem controle sobre o brinquedo. Mas musicalmente isso é pobre. Prefira algo que estimule a criatividade musical. Ela pode explorar a relaçao causa/efeito de várias outras maneiras, e sonoramente, pode fazer isso com brinquedos que gerem um som natural, como por exemplo, esse brinquedo ("Guitarra do bebê") da coleção Pim Pam Pum da Estrela (clique na foto para maiores informações):
3 - Cuidado com a afinação. Temos sempre insistido que a desafinação é terrivelmente perniciosa para a formação da inteligência sonora da criança. Isso vale tanto para o canto desafinado em músicas e DVDs infantis, quanto para os brinquedos desafinados, e nesse item os eletrônicos são os mais suspeitos. Esteja atento a pelo menos três fatores:

a) a nota está no lugar certo? No primeiro aniversário de Vinícius ele ganhou um teclado eletrônico cuja nota Dó na verdade era tocada onde deveria estar a nota Sol. Era até engraçado de tão absurdo, mas imagino quantas crianças não aprenderam a escala de Dó errado. E quando crianças pequenas aprendem errado isso é a PIOR coisa que pode acontecer para o seu desenvolvimento, pior até que não aprenderem.

b)As notas são afinadas? Às vezes um Dó parece um Dó mas...não é. Uma vez comprei tecladinhos eletrônicos para uma turma de musicalização de 5 anos que eu ensinei. A idéia era instroduzí-los na escala musica de Dó e fazê-lo gravar a posição das notas no teclado. Planejei tocarmos uma música simples juntos mas quando comecei a tocar... o-ohh! O Dó dos tecladinhos não era igual ao Dó do meu xilofone,no qual eu pretendia acompanhá-los. Resultado: acabou-se a aula. A única forma de averiguar a afinação das notas é com um diapasão,instrumento próprio para isso. Se você não é músico, peça a um que o ajude. Parece zelo demais mas garanto que não é. Imagine que os livros escolares de seu filho trouxessem erros de impressão que o ensinassem que a letra A se escreve com a letra G, ou o numeral 1 corresponde a três objetos. Absurdo, não é? Notas desafinadas são equivalente a isso.

c) Verifique as pilhas ou baterias. Às vezes quando elas estão acabando, a afinação cai e os sons ficam estranhos. E não esqueça de descartá-las responsavelmente em alguma unidade coletora desse tipo de lixo.

4 - O Volume das músicas é muito importante. Alguns brinquedos possuem a opção de controle de volume, e esses devem ser os preferidos. Alguns mais caridosos possuem inclusive a opção de desligar a música deixando apenas luzes piscando. Os brinquedos eletrônicos chineses costumam ter um volume muito alto - alguns muuuito alto mesmo - e isso, além de chato para os pais, pode prejudicar a audição da criança. Com R$ 8 você compra um lindo telefone de brinquedo made in china que ninguém é capaz de levar ao ouvido sob pena de ficar temporariamente surdo. Mas é incrível como poucos pais atentam a este detalhe. Outro dia vi no orkut uma mãe brigando com uma vendedora porque teria recebido um telefone de brinquedo da fisher price quebrado. Quebrado nada, é porque o volume era apropriado para o ouvido da criança. Precisou que ela lesse isso no site do fabricante para poder acreditar. Por outro lado, sei também de pais que abriam os brinquedos e cobriam parcialmente o autofalando com materiais para abafar o som, e só então o entregavam à criança. Lembre que a estrutura auditiva de uma criança é algo bastante frágil e em formação.

Agora vamos, dê uma chance aos eletrônicos. Tomadas essas medidas, se ainda assim você se arrepender, os protetores auriculares de silicone são uma boa pedida!

18 de fevereiro de 2011

Tatibitati e fala afetiva

Estou MUUUUITO feliz. Feliz com os seguidores do blogue já são 12 (nooosa, juro que não esperava) e super feliz com a notícia de que fui selecionada para o programa de nivelamento no mestrado em Psicologia Cognitiva da UFPE. ÊÊÊÊ!!!! Estou ansiosíssima pelas aulas, pelo conhecimento e por repassar isso na prática. Prometo deixá-los informados de tudo que diga respeito a estimulação infantil que eu aprender por lá.

Para comemorar, um post teórico, sobre um assunto controverso mas muito presente na vida dos papais e mamães.

Tenho visto muitas recomendações a respeito da forma como a mãe deve falar com o seu bebê, visando ao desenvolvimento da linguagem deste. E a maioria delas condenam o chamado "Tatibitati", ou "mamanhês", ou "nenenês", que é aquele jeitinho de infantilizar a fala, mudando o registro de voz para um timbre mais agudo e falando as palavras de maneira propositalmente erradas. Trocando em miúdos, é aquele tal de "Qui coixinha maixxx lindja de mamã, né, meu bilu-bilu, totoso e xerosim de papá?"

Tais conselhos alertam para o fato de que a criança aprende o falar por imitação, e ao ouvir as palavras faladas de maneira errada por seus pais e/ou cuidadores irá fatalmente aprender a repetí-las de maneira errada, às vezes por muito tempo, mantendo uma infantilização desnecessária ao invés de desenvolver um bom vocabulário e uma capacidade de expressão saudável.

Ok. Concordo. Até porque, como mãe, sei que é mesmo tentador vê-los falando o tatibitati de forma tão fofa e não imitá-los, só pra curtir a fofurrice por mais tempo. Aqui em casa mesmo, veja só, eu e meu marido costumamos nos pegar fazendo isso. Meu filho quando tinha dois anos aprendeu a pedir leite em pó na hora em que eu estava preparando seu leite, "Mãe, dá à boca!". E eu achei tão lindo que até hoje de vez em quando pergunto: "Vinícius, que à boca? Ops!... Quer que eu dê leite na sua boca?". Meu marido pergunta: "Vinícus, cadê a "bóa"?? ?Ops!... A bola?". Tem outra clássica. Quando ele queria dizer que um objeto não era da pessoa, aos dois aninhos ele dizia: "Você não é seu!". E quando a gente vê está querendo falar do mesmo jeito: "Vinícius, larga o bombom, você não é seu!". E por aí vai. É fofo. Até mesmo quando eles dizem todos felizes: "Mamãe, eu já comei tudo!".

Combinemos então: para promover o bom desenvolvimento da fala em nossos bebês, falemos as palavras como elas devem ser faladas. E quando eles falarem errado, não os corrijamos diretamente, mas repitamos as palavras da maneira correta:

- Mamãe, dá à boca?
- Claro, amor, eu vou dar o leite na sua boca.

Mas não gostaria de parar esta reflexão por aqui. Há algo mais na fala Tatibitati que precisa ser levado em consideração: a entonação vocal especialmente desenvolvida para o bebê. Perceba, é um instinto. E eu sempre desconfio de conselhos que mandem que ignoremos nossos instintos maternos: deixar chorar, não pegar no colo, não ninar para dormir, não falar o mamamnhês agudo e cheio de entonações esdrúxulas que absolutamente todo mudno tende a falar quando se dirige a um bebê.

Quem já teve filhos percebeu: ao começarem o processo de usar a fala para comunicar-se, por volta dos seis meses, os bebês principiam a expressar-se pela entonação. Eles imitam a maneira dos adultos falarem - e dos irmãos gritarem - usando e abusando de inflexões próprias da fala para demonstrar descontetamento, alegria, ou simplesmente para parecer estar dizendo algo. Às vezes, apenas balbuciando, eles conseguem expressar um diálogo, briga, música, os meus aqui com nove meses já conseguem fingir que estão lendo um livro enquanto apontam as figuras e balbuciam imitando minha forma de contar as histórias. Eles querem fazer parte do diálogo. Logo, é certo que o primeiro ponto em que o bebê se fixa na fala materna não é na norma culta gramatical, mas na entonação que ela dirige especialmente a ele. Com ninguém mais ela fala daquele jeito, só com ele. E ele SABE que quando ela fala com aquela voz está se dirigindo a ele. Que alegria! Ele se sente um sujeito! Ele se sente amado!

"Com cerca de 12 semanas o feto já reage a sons - em especial a voz materna, ponte de partida para a aquisição da fala na criança. Posteriormente essa mesma voz lhe dará amparo subjetivo, embalará seu sono, lhe cantará cantigas, apresentará os objetos do mundo, nomeando-os e , fato fundamental, introduzirá a figura paterna e com ela a diferença, a lei e a função simbólica - imprenscindíveis para a autonomia do aprendizado. Essa voz será portanto, plena de significados, ao mesmo tempo criadora e propagadora de subjetividade e da cognição."
(Graziela Costa Pinto)

"Na linguagem com a qual a mãe conversa como bebê, o chamado "mamanhês", já é possível perceber que o outro materno se põe ali de forma bem diferenciada, com uma entonação especial para chamar a atenção a criança, que, em geral, responde com júbilo, balbucio, sorrisos e movimento. Alfredo Jerusalinsky em 'Prosódia e enunciação na clínica com bebês', mostra que boa parte das mães após emitir suas perguntinhas entonadas, deixa um tempo estratégico para que o bebê entre no canal e dê sinal de que está na lingaguem - o bebê responde no seu turno. Do mesmo modo, queremos enfatizar que quando é hora de dormir, de comer ou mesmo de brincar, em geral, o bebê não fica sem uma cantiga suave, que embala ou anima. A mesma voz que o solicita por meio do mamanhês muda o registro e atualiza um outro tipo de texto. A mãe retorna de sua memória uma cantiga, dando vazão aos ecos arcaicos de seu próprio tempo de breço - um saber esquecido aqui é retomado." (Claudemir Belintane)

Extraídos de "A Mente do Bebê - Aquisição da Linguagem, raciocínio e conhecimento".

Portanto, falemos de maneira correta sim, mas não deixemos de usar a entonação aguda, carinhosa, cheia de inflexões deslizantes, exageros fonéticos, onomatopéias lindamente ridículas e carinhos sonoros para nos dirigirmos as nossos bebeês. As invés de tatibitati gosto de chamar essa voz materna de "fala afetiva", e ela vai desenvolver um vínculo fundamental, que está na base de todo o desenvolvimento global da criança, e que nenhum programa, método ou conselheiro bem intencionado pode resgatar: só você, mãe, pai, pode dar.


Exemplo de tatibitati AFETIVO postado por uma mãe no Youtube


Exemplo de um bebê com quem a mãe fala muito.

13 de fevereiro de 2011

Musicalização de Bebês - fazendo uma aulinha em casa

Ah, como adoro falar sobre isso! Como amo Musicalização Infantil! Então, Lu Cavalcante, é um prazer ajudar e responder suas dúvidas. A Lu tem um bebê de 1 ano e 6 meses, e quer saber como musicalizá-lo. Um instrumento musical FORMALMENTE nessa idade pode ser muito precoce. O que isso quer dizer? Que se você tiver a oportunidade,deixe ele ter contato com o máximo de instrumentos musicais. Manipular, brincar, tocar do jeito que ele quiser, descobrir. Sempre monitorando para que ele não se machuque deixe que ele toque o violão e o transforme num instrumento de percussão também. Deixe que ele explore um teclado, um pandeiro, um saxofone, uma flauta, um violino... o contato com os instrumentos e com o som desses instrumentos é muito importante para os bebês. Mas tocá-los mesmo, com um método e com ênfase na técnica, só quando sua coordenação motora estiver mais desenvolvida, entre os dois e três anos. Se não, cansado de querer tocar sem conseguir, o bebê vai abandonar e até criar aversão ao instrumento. É fundamental que ele esteja interessado e que esteja neurologicamente preparado para tal. Como uma mãe atenta você vai saber a hora certa. Até lá...

AULA DE MUSICALIZAÇÂO PARA BEBÊS - faça você mesma

Obviamente que uma aula preparada e ministrada por um profissional licenciado em música será sempre importante: se você puder, procure um professor de música especializado em musicalização para bebês. Ele não só saberá planejar uma aula com objetivos pedagógicos, como também saberá avaliar e conduzir o desenvolvimento musical de seu filho. Mas se você não pode, não é por isso que deixará de dar ao seu filho momentos de alegria e prazer com a música, certo?

1° passo - Estude
Glenn Doman já dizia "As mães são as melhores professoras". Mas professoras precisam estudar para participar do processo ensino-aprendizagem. Quer musicalizar seu filho? Estude sobre o que é musicalização e sobre o desenvolvimento infantil, para fazer atividades que ele aproveite da melhor forma possível. Se puder escolher um único material, leia o RCNEI - Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. É um livro gratuito disponibilizado pelo MEC que serve como parâmetro nacional para o ensino de crianças de 0 a 6 anos em todo o território nacional. Elaborado pelos melhores educadores do Brasil, depois de muita pesquisa e experiência, você pode ter certeza que isso lhe ajudará muito a estimular o aprendizado do seu filho. BAIXE O RCNEI AQUI (Vol. III). A parte de música está entre as páginas 43 e 81. Um "resumão" do RCNEI pode lhe dar uma idéia do que significa musicalizar:

Objetivos:
O trabalho com Música deve se organizar de forma a que as crianças desenvolvam as
seguintes capacidades:
• ouvir, perceber e discriminar eventos sonoros diversos, fontes sonoras e produções musicais;
• brincar com a música, imitar, inventar e reproduzir criações musicais.

Conteúdos:
• Exploração, expressão e produção do silêncio e de sons com a voz, o corpo, o entorno e materiais sonoros diversos.
• Interpretação de músicas e canções diversas.
• Participação em brincadeiras e jogos cantados e rítmicos.

Apreciação musical:
• Escuta de obras musicais variadas.
• Participação em situações que integrem músicas, canções e movimentos corporais.

Procure também livros especializados como os de Elvira Drummond e Josette Feres.


2° passo - Planeje
Planejar o melhor horário, elaborar antecipadamente a aula, separa os materiais que vai precisar com antecedência, tudo isso é importante. Se quer musicalizar seu filho, faça-o com responsabilidade para que haja algum resultado. Mais importante que resultados: mostre amor e respeito da forma que ensina, e seu filho responderá com amor e respeito pelo que é ensinado.

A estrutura de uma aula de musicalização para bebês pode variar conforme a idade (há uma grande diferença entre bebês de 6 meses e bebês de 1 ano), conforme sua disponibilidade de tempo e materiais também. Mas o esquema abaixo pode ajudar muito:

1 - Canção de boas-vindas
Indica que um momento especial está começando, e a criança "entra no clima". Utilize músicas alegres de "bom dia", "boa tarde", "boas-vindas" e também músicas em que você possa encaixar o nome da criança, por exemplo, "A canoa virou, pois deixaram ela virar, foi por causa do(a) ______ que não soube remar". Escolha bem e utilize a mesma música por muitas aulas. Crianças até 2 anos necessitam de um ambiente organizado, gostam de disciplina e a rotina lhes dá segurança. Aproveite este momento para tocar no bebê demonstrando afetividade, carinho e confiança. Saiba que ele estará muito atento a sua postura, gestos, expressão,voz. Mantenha sempre o "olho no olho". Cerca de 3 minutos.

2 - Canção da socialização
Em grupos de bebês este momento fica mais fácil de ser explorado. Se não tem irmãos, e são só você e ele, ainda assim invente joguinhos de partilha. Passar um brinquedo no ritmo da música trabalha o respeito, o saber esperar pela sua vez, o repartir. Bom momento para trabalhar a identidade também: os bebês atédois anos estão começando a se descobrir como seres independentes de sua mãe. Faça joguinhos de "Onde estáo nenê?" (escondendo seu rosto ou o dele) "está aqui!" (descobrindo em seguida. Utilize um paninho transparente e incentive que ele mesmo aprenda a tirar. Cerca de 3 minutos.

3 - Canções temáticas
Hora de explorar recursos visuais para contar uma história. Há várias músicas infantis que são pequenas histórias, e quanto mais simples,mais cativarão os bebês ("O sapo que não lavava o pé", "O pintinho que tinha medo do gavião", "A história dos cinco dedinhos", etc). Utilize fantoches, cartazes, brinquedos, livros, palavras do Programa de Leitura, etc). Ao contar as histórias capriche na entonação de voz,não use um tom só do começo ao fim. Fale alto, baixinho, com voz ora aguda, ora grave, faça efeitos sonoros com a voz e instrumentos sonoros (latinhas, chocalhos, apitos), onomatopéias. Não se espante se em pouco tempo seu bebê começar a imitar suas entonações e sons igualzinho a você. No máximo 8 minutos.

4 - Canções de expressão corporal
A música é uma grande ajuda para desenvolver a psicomotricidade em bebês. Enquanto canta uma música (utilize diferentes andamentos: numa aula uma música mais lenta,noutra aula uma música mais ritmada), faça com que o bebês se mova para cima,para baixo, de um lado par ao outro, movimente e nomeie as partes do corpo. Por exemplo: "Fui no mercado comprar café e uma formiguinha subiu no meu pé". Explore os sons do corpo (palmas, pés, sons da boca), os gestos, movimentos de pular, levantar, agachar, saltitar, engatinhar e arrastar (estes explore bastante!), e você automaticamente estará estimulando a linguagem, desenvolvimento motor, memória e concentração, além da sensibilidade musical. Utilize também canções de trenzinho, carro (dê um pequeno volante para o bebê segurar), cavalinho, etc. - 5 minutos (pode-se usar duas músicas por aula).

5 - Canções de prática instrumental
Eu vou ficar devendo um post sobre instrumentos musicais para bebÊs,porque isso é uma longa conversa a parte. Por hora, procure adquirir alguns isntrumentos musicais de verdade que possa sem livremente manipulados pelos bebês, como ganzás, pandeiros, clavas, xilofone, sinos, apitos (uma criança com nove meses já pode ser capaz de apitar por imitação). Veja NESTE SITE algumas possibilidades. Se o bebê já fala, faça joguinhos para descobrir qual é o isntrumento: toque-o atrás de uma pano e peça que ele identifique. Se for utilizar instrumentos de brinquedo, escolha brinquedos afinados, duráveis e fuja daqueles baratinhos que quebram fácil e podem machucar a criança. Você também pode fabricar alguns de sucata, como tambores de lata de leite com baquetas de colher de plástico, chocalhos de potinhos com arroz dentro. Sempre tend o o cuidado de não deixar aparas, nã usar materiais perigosos ou tóxicos. Mostre a criança como tocar mas deixe-a se expressar livremente e explorar as muitas possibilidades sonoras do objeto. Você verá que elas são muito mais criativas nisso do que nós. NUNCA iniba uma nova forma de tocar que ela invente, a não ser que isso possa machucá-la. Mas se quiser tocar violão com o nariz, tudo bem! Procure apenas fazê-la sentir e tocar conforme o ritmo (pulso) da música. Aproveite para trabalhar os limites: entregue o instrumento à criança só quando estiver sentada. Faça-a devolver no final sem resmungar (arranje uma sacola bonita e faça-a sentir prazer em guardar as coisas, elogiando-a quando o fizer. Ao final, limpe tudo que foi levado à boca. 5 a 8 minutos (pode-se usar duas músicas por aula).

6 - Canção de relaxamento
Este é um momento para o estiramento, esticar mãos, pés, deitar e rolar, receber carinho ao som de uma música relaxante. As mamães podem aproveitar para fazer shantala ou uma simples massagem carinhosa nas costas, nos bracinhos e perninhas, com beijinhos e palavras carinhosas. Utilize músicas com sons da natureza, músicas de ninar instrumentais e vocais. 5 minutos.

7 - Canção da despedida
Canções de "tchau", "Até logo", fecham a aula. ESsa referência é tão importante para elas quanto a canção de boas-vindas. 3 minutos.

3° passo - Selecione material
Separe antecipadamente o material visual e organize tudo de modo a ficar fácil de pegar na hora, mas que não fique na visão do bebê para não distraí-lo da aula. Se o papai puder ajudar entregando os materiais ou utilizando-os, melhor ainda!
MUITO material musical bom para utilizar na musilização de bebês. Varie o repertório buscando sempre a excelência. Se você ainda acha que o Xuxa Só Para Baixinhos é a melhor proposta de música infantil que pode haver, por favor, alargue seus horizontes, busque, pesquise, pergunte a quem sabe e descubra as coisas maravilhosas que há por aí. Quanto mais você conhecer, mais seu gosto vai se aprimorar e o do seu filho também.
OK, vou dar uma forcinha, tá? Segue um arquivo com várias músicas para começar as aulinhas. Selecionei duas músicas para cada parte da aula. Há blogs e comunidades no orkut onde você pode encontrar muito mais. A comunidade, "Música para crianças" é maravilhosa para conhecer bons artistas de música infantil. Vá em livrarias especializadas como Saraiva e Cultura e peça ajuda a um vendedor. O arquivo abaixo é só para dar uma idéia de como começar.

BAIXAR MÚSICAS (.rar - 33,5 MB)
senha: estimulandomeusfilhos

4° passo - Curta
Se seguiu todos os passos anteriore relaxe e curta esse momento com seu filho. Não fique tão preocupada em fazer tudo certo, apenas aproveite para estar com ele e se divertir! Com o tempo você vai aperfeiçoando a técnica,o mais importante porém é o amor dedicado nesse tempo passado juntos.

11 de fevereiro de 2011

Programa de Música - Dica para professores e pais iniciantes

Este post vai para a amiga Lu Cavalcante e para todos os pais que não são musicistas mas desejam começar um programa de música com seus filhos.

Para mim, como Educadora Musical é MUITO, MUIIIITO importante que a criança não apenas decore símbolos de teoria musical, mas que que brinque com isso, que sinta, ouça, experimente, toque, cante, expresse com o corpo aquilo que a teoria diz. O aprendizado musical com crianças tem que necessariamente passar pelo lúdico, pela brincadeira, pelo gostar de fazer música, se não for assim, é bem provavel que aconteça o contrário: ela passe a não gostar de música. Aliás, foi debatendo sobre este tema que cheguei à comunidade do orkut "como ensinar seu bebê a ler" e conheci mais sobre o método Doman. Embora minha visão do método tenha se aperfeiçoado muito de lá pra cá, continuo achando que o programa Doman de música só faz sentido num ambiente de Musicalização Infantil, ou seja, adaptando o conhecimento musical para as necessidades neurológicas, emocionais e cognitivas da criança. Para fazer isso você tem alguns caminhos:

1 - Matricular seu filho numa escola de Musicalização, se a escola regular dele não oferecer aulas de música. Há profissionais e escolas de música especiazalizadas em vários estados que oferecem esse curso. Então você complementa com o método Doman em casa (e pode até sugerir que a escola de música em questão o adote). NESTE POST eu apontei onde você pode encontrar material sobre o programa de Música Doman. Lu, o primeiro livreto "THE INITIAL MUSIC PROGRAM" é para mães iniciantes também. Mas é tudo em inglês. Quando eu receber o meu posso postar alguma coisa traduzida aqui, dada a dificuldade de adquirir esse material.

2 - Se a escola de seu filho já possui a Musicalização como matéria regular, ótimo! Converse com a professora ou professor sobre as possibilidades do método Doman. Ele vai gostar. Professores de música costumam ser pessoas muito abertas a novidades. Se a escola ainda não oferece, COBRE. Saiba que a partir de Agosto de 2011, o ensino de Música é OBRIGATÓRIO na educação básica, ou seja, da Educação Infantil até o Ensino Médio. ESTA LEI de 2008 deu três anos para as escolas se adaptarem, e a partir de 18 de Agosto nenhuma escola tem mais desculpa para não oferecer música como conteúdo curricular (ou seja, você não precisa pagar NADA por fora). Cobre também algo que a lei não detalhou: que o ensino de Música seja feito por um profissional licenciado, que tenha feito faculdade de Música e aprendido a ensinar música para crianças. Não deixe qualquer "aventureiro" dar aulas de Música para seu filho só pra tapar buraco. Isso pode fazer um mal terrível para as crianças.

3 - Procure uma escola que utilize o método Suzuki em sua cidade. Este método, utilizado nos Institutos para o desenvolvimento do potencial humano de Doman, envolve pais e filhos no aprendizado do instrumento musical,que pode ser: violino, viola, violoncelo, piano ou flauta. A filosofia Suzuki propõe que pais e filhos aprendam juntos, e que a motivação aconteça da mesma forma que a criança faz para aprender a língua materna. Leia mais sobre o método NESTE SITE.

4 - Aprenda um instrumento musical com seu filho. Se não houver uma escola Suzuki por perto, saiba que aprender música através assim é a melhor forma de musicalização. Isso pode começar assim que seu filho mostrar interesse por um instrumento, geralmente entre os 2 e 3 anos. Não se intimide! Procure bons materiais e comece! Eu aqui, embora licenciada em música sou péssima instrumentista, no entanto decidi estudar teclado junto com meu filho mais velho. Ele está com 3 anos e meio. Comprei um teclado (o dinheiro não deu pra um piano, infelizmente) e fiz uma vasta pesquisa sobre métodos de iniciação. Atualmente estou em processo de ler e organizar esses métodos para planejar as aulas. Mas se você não for tão megalomaníaco como eu, pode escolher apenas um deles para trabalhar: qualquer um é uma boa opção. Vamos à lista? (Lu, ao escolher de preferência a um que venha com CD e não se preocupe que os métodos são super didáticos, você vai aprender facilmente com sua pequena - essa é mesmo a idéia que Doman tinha em mente ao propor seus programas de estimulação infantil - leia o capítulo "As mães são as melhores mães do mundo" do livro "Como multiplicar a inteligência do seu bebê")

MÉTODOS NACIONAIS:

- MEU PIANO MEU BRINQUEDO – ELVIRA DRUMMOND
No SITE da autora você encontrará vários outros materiais para musicalização infantil, de bebês a crianças maiores. Gosto muito da metodologia dela. É antes de tudo uma mãe que soube musicalizar os filhos, e ambos hoje são grandes instrumentistas. E além de tudo é nordestina, heheheh No site, visite os links "Musicalização", "Linguagem e percepção" e "Piano solo" para conhecer mais sobre o material.

- CADERNO DE EXERCÍCIOS PARA CLASSES DE INICIAÇÃO MUSICAL - Carmen Maria Mettig
Diversos estudos e brincadeiras destinados ao aprendizado da musicalização infantil.

- O CASTELO DÓ, RÉ, MI... - Aparecida Faulin
Para crianças a partir de 3 anos. "Elaborado com carinho e esmero pela professora Aparecida Faulin, O Castelo Dó Ré Mí... é um novo método de iniciação musical, onde a autora, foi muito feliz na criação dos desenhos e "estórias", que levam o educador a caminhar agradavelmente dentro do maravilhoso mundo dos sons, colhendo, a cada passo, um troféu de gloria artística."

- DUAS MAOZINHAS NO TECLADO – MARIO MASCARENHAS
Há professores de piano que abominam este autor, mas eu comecei a aprender piano com ele e ADOREI. O motivo da abominação é porque ele costuma facilitar as peças para que o aprendiz tenha o mais rápido possível a sensação de que está tocando algo bonito. Embora seja bem antiguinho, eu também estou adaptando para usar com meu filho, acho que tem muito a aproveitar. Para ser usado a partir dos 3 anos. E tem uma VERSAO ONLINE.

-
MEU PIANO É DIVERTIDO - Vol. 1 - Alice Botelho
Um clássicos dos nacionais. Voltado para o público iniciante (a partir dos 3 anos), de modo especial as crianças. Além de ensinar, proporciona prazer e alegria aos estudantes, em sua prática, não destruindo assim o amor natural que a maioria deles sente pela música.

-
INICIAÇÂO MUSICAL - BRINCANDO, CRIANDO E APRENDENDO Vol. 1 - Josette S. M. Feres
O forte desse são as peças musicais, com títulos brincantes como: "o carteiro", "passarinho", "serra serra", etc. Eu utilizaria como complemnento das lições, para formar repertório.

-
INICIAÇÃO AO PIANO E TECLADO - Antonio Adolfo
Com uma linguagem moderna, este livro apresenta os parâmetros básicos da música, ensinando os primeiros passos e fazendo com que o aluno tenha contato com o(s) instrumentos(s) sem receio, ou melhor, incentivando-o à expressão musical, não só tocando, como também começando a aprender a ler música, a improvisar e até mesmo a compor. Tudo isso através de atividades diversas, de histórias e de outras opções, associando diferentes situações e grafias à música.

-
MEU PRIMEIRO TECLADO - Cristine Prado
Este método é destinado ao ensino de crianças nas técnicas de execução em teclados portáteis. Trata-se de excelente material didático, que vem agradando tanto a professores como aos próprios alunos que dele se utilizam. A cada lição são apresentados e trabalhados elementos musicais essenciais, assim como sugestões quanto ao aproveitamento dos recursos desses instrumentos.

-
MÉTODO INFANTIL DE TECLADO - Marcelo Dantas Fagundes
Indicado às crianças não alfabetizadas podendo ser utilizado com a ajuda dos pais. De forma divertida, a criança aprende as notas musicais, uma a uma, os primeiros acordes e algumas músicas infantis, tudo apresentado de forma progressiva e dinâmica, com muitos desenhos para colorir.

A DOSE DO DIA - MINI-LIVRO - INICIAÇÃO - Edna Mae Burnam
Exercícios para fazer antes da aula de piano. Para melhorar a técnica. Mas as músicas tem títulso como "no balanço","no gira-gira","no escorregador", e antes de tocá-las você até pode fazer brincadeiras rítmicas do tipo para depois explorar no teclado.

ENCANTANDO COM A MÚSICA VOL. 1 - Acácia Maria Picoli
Encantando com a Música é o primeiro livro de uma coleção formada por quatro volumes, elaborados cuidadosamente para aproximar a criança do processo de leitura e escrita musical, sob a forma de estudo dirigido. Nele, os aspectos teóricos relativos ao aprendizado da leitura e escrita da música, são tratados de maneira interativa, utilizando elementos do universo infantil, como formas coloridas que representando notas e figuras de ritmo.

MÉTODOS IMPORTADOS
Existem muitos, vou falar apenas dos que eu conheço e tenho.

-
PIANO BÁSICO DE BASTIEN - Nível Pré-Iniciante - James Bastien
Um clássico muito utilizado por professores de piano.
Este livro é baseado em uma série de lições cativantes e progressivas orientadas para dar ao aluno um bom ponto de partida em seu aprendizado de piano. A sequência das lições está cuidadosamente graduada para assegurar o contínuo progresso nos estudos.

-
ALFRED´S BASIC PIANO - PREP COURSE LEVEL A - Lesson Book/CD
Embora o autor recomende a partir dos 5 anos, dá para usar desde os 3. O bom de ter o CD é que você não precisa saber tocar para acompanhar a criança: basta ensiná-la a tocar a melodia e colocar o CD para tocar o acompanhamento. Isso é um grande incentivo porque com o acompanhamento instrumental a criança sente que está tocando algo "bonito e significativo", não apenas "catando milho" no teclado. Nem a mãe se desespera para ter que aprender a tocar a partitura de acompanhamento, heheheh. Como opcionais que complementam o estudo há o livro de exercícios de percepção auditiva (ear training), o livro de técnica (techninc book), o livro para fazer uma apresentação (solo book) e o livro de teoria musical (Theory book), tudo integrado.

-
MUSIC FOR LITTLE MOZARTS: Music Lesson Book 1
Da mesma editora e linha do anteiror, na minha opinião, é o mais apropriado para começar com os menorzinhos, a partir de 2 anos e meio, 3 anos. Cada lição é como uma história sobre o rato Mozart e o urso Beethoven, e suas aventuras musicais. Tem CD que quebra um galhão, mas tem que ser comprado à parte. Pode ser complementado pelo "Discovery Book", "Workbook" e "Recitalbook".

-
JOHN THOMPSON´S EASIEST PIANO COURSE - Part 1 - John Thompson
Eu usaria a partir dos 4 anos, ou como complemento do estudo.
Este é um método abrangente criado para o desenvolvimento dos iniciantes no piano. Inclui diversos exercícios, leitura de partitura, acompanhamentos, revisões, exercícios com acompanhamento para o professor e muito mais!

- LIÇÕES DE PIANO - VOL. 1 - LIVRO/CD - EM PORTUGUÊS -Piano Lessons Vol. 1 - Hal Leonard Student Piano Library
MA-RA-VI-LHO-SO. A partir de 3 anos. Para mim, se você puder comprar só um livro nesta lista toda, escolha este, pois ele junta tudo de melhor que os outros tem, vem com CD e está em português (coloquei aqui porque para todos os efeitos, utiliza o sistema americano de notas musicais). Além de ser um dos únicos que dá espaço para a criança compor também.
Um dos métodos mais conceituados e utilizados para o aprendizado de piano está disponível em Português! A introdução dos assuntos é gradativa e muito bem trabalhada. Acompanha CD para prática! A famosa metodologia Hal Leonard
com fácil acesso às escolas, professores e alunos. Livro colorido, ilustrado, com muitos exemplos musicais e interatividade que tornam o estudo prazeroso e eficiente.

TODOS ESSES LIVROS ESTÃO DISPONÍVEIS PARA COMPRA no site da Freenote (site seguro, já comprei várias vezes lá - até demais, já deviam ter me promovido a sócia), exceto os da Elvira Drummond, que só podem ser adquiridos no site da própria autora.

4 de fevereiro de 2011

Crianças adoram surpresas

Aqui em casa tenho me permitido fazer algumas adaptações ao Programa de Leitura de Doman, certa de que ele não me reprovaria por isso, uma vez que acrescento idéias às regras sem modificar os princípios. Neste caso, procurei melhorar a qualidade do estímulo para o meu filho de 3 anos. Ele se dispersa muito mais facilmente que o de 10 meses, por isso recheei os slides com surpresas. Crianças AMAM surpresas!

Resolvi colocar sempre no último slide (da primeira sessão) um som, engraçado de preferência, correspondente à palavra mostrada. Eles adoraram, riram, o bebê apontava a tela e olhava pra mim sorrindo, foi uma festa. Nas sessões seguintes eu embaralhava os slides de modo que eles não sabiam quando viria o "som surpresa", mas ficavam esperando por ele - e isso é um belo modo de prender a atenção. Todas as sessões da semana terminaram da mesma forma: com os dois pedindo mais, a ponto de ser difícil eu distraí-los para outra atividade.

Você pode achar esses sons em sites de samples como ESTE ou ESTE, que tem sons de várias coisas em formato wave, ou procurando por "ringtones", "toques para celular" ou "efeitos sonoros" em mp3 no google.

BAIXE AQUI a apresentação que fiz da categoria "partes do corpo" aplicando a dica acima.
1.3 MB
Senha: estimulandomeusfilhos

E por falar em surpresas, que tal um livro mágico para seus filhos? É o mais novo sorteio no maravilhoso blog da Ana Júlia. Dê uma passadinha lá e cadastre-se! Esse é o tipo de surpresa que as crianças amam!

O mais difícil é começar...

Esta foi a semana de volta às aulas e também a semana que escolhi para reiniciar o programa de leitura com meu filho mais velho e começar com o mais novo.
Foi um sucesso. Eles adoraram e curtimos bons momentos juntos

Também esta semana tive conversas com outras mães que estão começando o método e me reportaram algumas de suas dúvidas. O que gostaria de dizer é: vão em frente!! Façam o que seu coração e intuição manda!! Acredito demais no poder da intuição materna. Isso vale para tudo em relação à criação e educação dos nossos filhos. Ninguém melhor que a mãe sabe o que seus filhos precisam. Por isso não se intimide com a idéia de achar que está fazendo algo errado, ou que vai ser difícil seguir todas as regras, ou que seu filho pode não gostar do que você está fazendo: você está fazendo o melhor, está se dando no que tem de mais precioso, está disposta a dedicar tempo e energia para seu filho e é por isso que seu filho vai AMAR tudo que você fizer.

Algo que tenho percebido em todas as experiências a respeito do método Domam é que os pais mais bem sucecidos são aqueles que fazem adaptações para a realidade de seus filhos e se permitem ousar ir além - ou aquém - para que os filhos saiam ganhando. Há pequenas diferenças no modo de aplicar o método no Brasil, Espanha, Filadélfia, Itália ou Japão, há pequenas diferenças entre o que é feito nos lares e nas escolas, bem como há pequenas diferenças entre o que é feito aqui na minha casa e aí na sua. Se você comparar as edições mais antigas dos livros de Doman com as mais recentes vai descobrir diferenças de metodologia também. Tudo bem!

Veja o que o próprio Domam diz: "As mãe são as melhores mães do mundo!". Não foram os Institutos de Doman que ensinaram às mães, mas as mães que ensinaram os Institutos as estimular as crianças corretamente.

Deixem-me trasncrever parte do capítulo 21 de "Como multiplicar a inteligência do seu bebê":

"Não há magia na técnica. A magia está na criança. Não se apaixone por técnicas. Ao contrário, adquira um conhecimento profundo de como o cérebro cresce e procure entender a fundo esse crescimento. Isto é infinitamente mais importante. [...] Se você realmente entender como e por que deve fazer o que faz, o seu conhecimento crescerá a olhos vistos, e no final você terá inventado melhores técnicas do que aquelas ensinadas neste livro. [...]A mágica está na sua criança. Ela tem suas características diferentes das demais que você já conheceu. Encontre esta magia e dê-lhe a sua. Se este livro fizer com que uma só mãe sinta um novo e profundo respeito por seu filho, terá valido a pena todo o esforço para escrevê-lo. Porque isso, por si só, provocará uma grande mudança em cada mãe e em cada bebê atingido. Isso é a essência da Suave Revolução."

Acredite, você está no caminho certo, simplesmente dê a mão a seu filho e... caminhe!

3 de fevereiro de 2011

Primeiro passo rumo ao mestrado

Hoje levei a documentação para seleção no departamento de Psicologia Cognitiva da UFPE e vou aguardar o resultado, que deverá sair no final do mês (vou tentar entrar como aluno ouvinte primeiro).
Estou ansiosa.
Na carta de intenções não cheguei a mencionar que meu projeto seria baseado no método Doman, mas citei características do método, e confesso, tenho medo da reação deles. Porque já percebi que no meio acadêmico há MUITOS autores que atacam o método Doman, chamando-o de pseudociência, questionando seus resultados, apontando a falta de documentação acadêmica dos mesmos, e rotulando-o como uma estratégia comercial para enganar pais e professores dedicados. Não sei se os professores daqui já têm uma opinião sobre o assunto, espero que não, para que possamos chegar juntos a uma conclusão.
As pesquisas mais animadoras têm sido feitas na área de Educação, e vêm principalmente da Espanha. Emartigos como ESTE AQUI. É uma pena que haja tão pouca produção científica em nosso país. Por causa disso, a área acadêmica, que deveria existir para desmistificar fatos, acaba assumindo um comportamento preconceituoso para com aquilo que (ainda) é desconhecido. O que não é considerado "Verdade Universal" tende logo a ser descartado como mentira. Imagine onde estaríamos se não fosse a "mentira" de Galileu...

Bem, eu vou lá que meu filho está aqui ao lado dizendo "Mas mãe... você trabalha muito!"
kkkkkkkkkk

2 de fevereiro de 2011

Onde encontrar material ESCRITO sobre o programa de Música dos Institutos Doman?

Demorou até eu encontrar uma resposta para essa pergunta. A maioria das informações sobre o programa que colhi na net foram de pais e mães que fizeram o curso nos Institutos, mas para fins de pesquisa acadêmica só isso é pouco (não dá pra fazer uma dissertação só com depoimentos de blogs). Para uma pesquisa bibliográfica é preciso citar material com referência, de preferência da fonte original, e eu não conseguia achar isso em lugar nenhum. Depois de olhar tintim-por-tintim cada cantinho do site de vendas dos Institutos para o desenvolvimento do potencial humano foi que descobri três livretos sobre o assunto no catálago. segue abaixo nome e descrição:

- THE INITIAL MUSIC PROGRAM
Um excelente livreto para iniciantes com o objetivo de dar as coordenadas musicais básicas para mães que querem ensinar a linguagem musical a seus filhos. Inclui 25 ilustrações de notas tal como elas aparecem no pentagrama. Escrito por Kathy Myers, a diretora de Música dos Institutos.

- MUSICAL NOTATION AND COMPOSITION
Um livreto sobre como ensinar notação musical e composição. Inclui 29 notações, 9 células rítmicas e 8 frases da canção "Jingle Bells."

- INTERVALS: THE BUILDING BLOCKS OF MUSIC
Este livreto contém um conjutno de instruções sobre como ensinar intervalos musicais. Inclui definições de termos e símbolos musicais.39 ilustrações e 13 frases musicais.

Há ainda materiais sobre as partes dos instrumentos e instrumentos musicais primitivos. Custam $15 e são pedidos pelo e-mail order@gentlerevolution.com. Já encomendei os meus.