4 de dezembro de 2013

Natal 2013 - São Nicolau x Papai Noel

Ah, essa coisa de post mensal não tá legal. Agradeço a paciência dos queridos leitores. Mas eu tinha que vir aqui fazer nosso post de Natal para matar a saudade e fechar o ano compartilhando esse momento que, para nós aqui, é tão especial. Como sempre, me permito uma introdução mais subjetiva: se você quer ir direto para as atividades, pule para o próximo título em negrito.

Como os leitores do blog sabem, sou cristã. E embora o Natal seja uma festa que contém influência de muitas religiões, nós a escolhemos para comemorar o nascimento de Jesus - simples assim. Sem ir fundo nas questões teológicas, sabemos que Jesus não nasceu em Dezembro, que alguns dos símbolos natalinos já eram usados por "pagãos" em suas festas de colheita anuais, que o comércio se aproveita da data para incentivar o consumo MAS nossa família tem muito bem definidos os valores que nos levam a comemorar o Natal, e a data, bem como seus significados, estão adaptados às nossas crenças pessoais, não submetidos aos rituais nórdicos, babilônicos, hindus ou americanos - que só farão sentido para aqueles que têm tal visão do mundo. A ressignificação de símbolos é algo comum e corriqueiro entre as culturas - religiosas ou não - ao longo da história da humanidade. Para nossa família em particular, árvore, bola de Natal, estrela, vela, presépio, guirlanda, tudo aponta para um único grande significado: a  comemoração da vida em abundância que nos foi dada por Jesus, ao nascer homem.

E o Papai Noel? Bem, em nossa religião (adventistas do sétimo dia), recebemos a orientação de incentivar a imaginação nas crianças, mas não a fantasia. Dessa forma, o material religioso que usamos não costuma ter bichos que falam, árvores que cantam, personagens com superpoderes, a não ser quando são parte da narrativa bíblica, que é interpretada por nós, em grande parte, de maneira literal. Nesse caso, a aceitação da versão bíblica não se faz através da fantasia, mas da fé. E a fé é considerada uma necessidade espiritual do Homem e uma afirmação da sua verdade pessoal.

Mas em se tratando de personagens como Coelhinho da Páscoa, Fada do dente e Papai Noel, trata-se apenas de histórias fantasiosas que em nada ou pouco contribuem para a formação das crianças como seres humanos. Neste caso, vale para nossa família a regra de dizer sempre a verdade para as crianças. Não é uma decisão muito fácil para nós, dada a pressão que sofremos por parte das pessoas que acham "cruel" tirar da criança a oportunidade de acreditar nessas fantasias. Para essas pessoas é como tirar delas uma parte da infância, como se elas fossem menos crianças por não acreditarem nesses personagens. Eu não costumo discutir muito esse assunto, preferindo encerrar o debate com a máxima de que "cada família escolhe a forma como quer educar seus filhos". Mas o que é determinante, de fato, é a visão de infância e educação infantil que você tem em mente. Por aqui não acreditamos que uma história falsa, por mais linda que seja, deva ser contada aos nosso filhos como verdade só para que eles se encantem com isso: em nossa visão, crianças devem ser respeitadas como seres inteligentes e racionais. Claro que eles conhecem lendas e contos de fadas, mas sabem exatamente o que eles significam: lendas e contos de fadas, não histórias reais. E o motivo para não sentirmos falta da fantasia em nossas crenças é muito simples: o mundo real tem infinitos encantos. Pessoas de verdade, animais de verdade, histórias reais, são tão ou mais bonitas que as histórias fictícias. E a capacidade de contemplar e se emocionar com aquilo que é verdadeiro é algo que julgamos ser importante cultivar na mente e no coração dos pequenos. Não precisamos "maquiar" o mundo para as crianças, uma vez que elas, muito mais  que nós, adultos, são capazes de lidar com a verdade de forma franca,  honesta e , porquê não? - feliz. Afora a questão religiosa, há também o argumento pedagógico, muito bem fundamentado, do método Montessori. Você pode ler mais a respeito no blog Lar Montessori, AQUI, AQUI e AQUI.

Tudo isso para dizer que nossos filhos não acreditam em Papai Noel. Isso não os faz sofrer nem um pouco, ao contrário do que eu sofri, quando criança, ao descobrir que tudo não passava de uma grande mentira alimentada por aqueles em que eu mais confiava. Nosso filhos já foram instruídos por nós a não tentar convencer os amiguinhos disso na escola ou em outros ambientes. Dissemos que cabe aos pais e mães dessas crianças contar pra elas ou não. Mas este ano em particular, acho que uma questão ficou meio confusa para eles: se Papai Noel não existe, qual o motivo dessa figura estar tão presente nas comemorações natalinas? De onde veio a crença nesse Papai Noel que é amado e aguardado por tantas crianças ao redor da Terra?

Por isso resolvi - quem diria! - fazer do Papai Noel, o tema de nossas atividades de Natal. Buscando, com eles, a identidade histórica dessa figura, estudando as lendas e concepções  culturais por trás do "bom velhinho". A primeira coisa a fazer foi uma boa pesquisa, ler e ver muitas fontes para poder fazer um resumo para as crianças, de forma objetiva e sincera. O que deu mais ou menos nos parágrafos abaixo:

Qual a origem do Papai Noel?

O Papai Noel, Pai Natal ou Santa Claus, tem sua origem mais remota na figura de um cristão chamado Nicolau de Mira. Ele nasceu na Turquia, na segunda metade do século III, numa família de muitas posses. Seus pais morreram cedo e o fizeram herdeiro de uma rica herança. Mas Nicolau não se interessava por acumular dinheiro, e desde muito cedo mostrou-se interessado em ajudar pessoas. Não há muitos documentos provando as várias histórias que se contam a respeito desse homem, mas todas elas têm em comum uma preocupação acentuada com os mais pobres e necessitados, especialmente as crianças.

Uma das histórias que deu origem à lenda do Papai Noel conta que havia na cidade de Nicolau um senhor com três filhas adolescentes, que para a época já estavam em idade de casar, mas por serem muito pobres não possuíam o dote necessário para encontrar um noivo. O pai, desesperado, já pensava em vender duas das filhas para poder pagar o dote da mais velha, mas uma noite, Nicolau jogou dentro da chaminé daquela família, moedas de ouro e prata na quantidade suficiente para cobrir o dote de uma das moças. As moedas foram parar nas meias que haviam sido postas para secar no calor da chaminé. Daí o hábito de pendurar meias nas lareiras e sapatos na janela (no caso das crianças que não têm lareira) para esperar que sejam cheios de presentes. Não bastasse a alegria da primeira filha, Nicolau repetiu a ação mais duas vezes, e assim as três meninas foram salvas de um terrível destino graças à generosidade do bom homem. Nicolau tornou-se bispo de Mira e após a sua ordenação, resolveu: "Até agora eu pude viver para mim mesmo e para a salvação da minha alma, mas daqui em diante todos os momentos da minha vida devem ser dedicados aos outros."  As história a seu respeito só cresceram, sempre fazendo alusão a um homem benevolente, humilde, simples e defensor dos mais fracos. Hoje ele é considerado santo tanto pela igreja católica quanto pela igreja ortodoxa, e na Europa é padroeiro em muitos países, sendo um dos santos mais populares por lá.

Outras histórias contam que Nicolau saía à noite, envolto num manto e com um gorro para que não pudesse ser reconhecido enquanto levava alimento, dinheiro e até mesmo brinquedos para famílias e crianças muito pobres ou órfãos que passavam necessidades. Ele fazia questão de fazer suas boas ações em anonimato. A história se espalhou e começou a ser imitada por algumas freiras francesas, que no dia de São Nicolau (6 de dezembro), saíam de madrugada e distribuíam anonimamente cestas com frutas e outros alimentos entre as famílias mais pobres da região. O gesto delas não só se repetia todos os anos como também passou a ser imitado por outras pessoas. Assim se estabeleceu a tradição de trocas de presentes no Natal. Como o dia de São Nicolau e o Natal são comemorados no mesmo mês, em alguns países acabaram sendo comemorados juntos, uma vez que as tradições das festas natalícias combinam muito bem com o espírito das festividades em memória de São Nicolau: ambas procuram despertar o senso de bondade e amor à vida através do sentimento cristão.

Em 1822, um professor de literatura grega de Nova Iorque chamado Clemente Clark Mooreque lançou o poema Uma visita de São Nicolau, escrito para seus seis filhos. Nesse poema, Moore divulgava a versão de que ele viajava num trenó puxado por renas, tinha duendes ajudantes, morava no pólo Norte, etc. Ele também ajudou a popularizar outras características do bom velhinho, tais como entrar pela chaminé. O próprio professor não quis publicar o poema por achar que ele passava uma imagem frívola de São Nicolau, mas uma senhora, ao tomar conhecimento do poema, o enviou para um jornal local e logo vários jornais e revistas também divulgaram a história fantástica.

Em 1889, o cartunista Thomas Nast caracterizou São Nicolau com trajes parecidos aos atuais, numa edição especial de Natal da revista Harper's Weeklys. E em 1931, a Coca-Cola lançou um anúncio publicitário com a figura do Papai Noel rechonchudo, com calças, gorro e camisa nas cores vermelho e branco (as cores do refrigerante). Na metade do século XX foi incorporada a tradição das crianças escreverem cartas para Papai Noel contando que presentes gostariam de ganhar, caso tenham se comportado bem.


 Imagens de Nicolau de Mira (representação ortodoxa), São Nicolau (imagem católica) e Papai Noel (da Coca Cola). Clique para visualizar em tamanho maior.

Nosso Natal de São Nicolau

Embora evangélicos, nós também admiramos os santos. Em nosso conceito eles não estão intercedendo por nós no céu, nem precisam fazer milagres para serem considerados como tal. Santo, biblicamente, é aquilo que é separado do uso comum ou consagrado a Deus, e todos os cristãos são chamados a serem santos. Nesse sentido, a vida dos santos  - Lutero ou Francisco de Assis - pode nos servir de inspiração e motivação. Nesse caso em particular, a vida de São Nicolau nos aponta um sentido de generosidade e amor ao próximo que em tudo se aproxima da forma como Jesus pediu que amássemos nossos semelhantes. E é esse sentido que resolvi resgatar na história desse homem real, de carne e osso, cujas qualidades humanas qualquer um de nós também pode ter. Não se trata mais de esperar pelo Papai Noel, mas ser o próprio Papai Noel e descobrir que há mais alegria em dar do que receber.

O primeiro passo foi achar uma figura de Papai Noel que não parecesse ter saído de um desenho animado. E essa é uma missão difícil! Encontramos Papais Noéis dançando, tocando, surfando, escalando, mas achar um que simplesmente pareça um velhinho de verdade é complicado. Esse estava empoeiradinho no fundo da prateleira. Gostei de suas feições mais próximas a um ser humano de verdade e dos trajes mais próximos aos usados pelo bispo de Mira.


Aproveitei que a escola de Vinícius pediu uma pesquisa sobre a "História de Natal" (SIC), e compartilhei com meus meninos o resumo histórico sobre São Nicolau que vocês leram acima. Depois, eles assistiram a esse desenho, cuja qualidade não está muito boa, mas quebra um galho. A história é baseada na biografia hagiográfica de São Nicolau.




Para crianças católicas também há ESSE PROGRAMA da Canção Nova que trata do tema de uma forma delicada, com uma linguagem adaptada ao público infantil.

A princípio eu pensei em fazer um calendário de Natal explorando o tema, mas aí achei essa fantástica ideia de "pote de Natal", super fácil de fazer e prática para utilizar. Você só precisa de um pote de vidro ou plástico grande, fitas e/ou enfeites natalinos, papel branco, cartão e contact (eu optei por imprimir o rótulo e os cartões em papel glossy adesivo 130g, que é mais ou menos o papel usado para imprimir fotografias). Para tirar o rótulo original, coloque o frasco algum tempo numa panela com água fervente até que a cola derreta, depois o papel vai sair bem facilmente. Se houver marcas de números com prazo de validade na tampa ou no vidro, basta passar uma esponja de aço para retirá-los.O modelo dos cartões segue abaixo, neste post.


(Para fazer esses "cachinhos" use uma fita decorativa e passe um lado da tesoura com força ao longo da fita, como se a estivesse "penteando": quando soltar, a fita vai cachear)

Minha lista que segue foi feita de acordo com a nossa realidade. Tal como os atos de São Nicolau e de acordo com o princípio bíblico de fazer o bem sem precisar fazer anúncio disso, pensei em atos que pudessem, tanto quanto possível, ser feitos anonimamente. Algumas coisas podem ser feitas sem sair de casa, outras vão exigir uma volta pelas redondezas: o ato de gastar tempo e energia para fazer algo bom deve ser valorizado pois já temos ativistas de sofá demais no mundo. Você pode escolher outras boas ações, de acordo com as suas possibilidades (no final do post segue uma lista de sugestões em outros blogs) e a ideia pode ser aproveitada não só no Natal mas em qualquer época do ano (férias ou no aniversário também é uma boa).

1. Escrever cartões anônimos de Natal e distribuir entre os vizinhos sem que estes vejam.
2. Perdoar alguém que lhe fez alguma coisa má.
3. Sorria e acene para alguém desconhecido.
4. Escreva uma carta para sua professora desejando um feliz natal e agradecendo por tudo que lhe fez.
5. Cole um saquinho com dinheiro numa embalagem de pão da padaria.
6. Dê um abraço em alguém que não estiver se sentindo muito bem.
7. Escolher alimentos da dispensa para doar para os pobres. (Em nossa igreja temos a ADRA, departamento que organiza e distribui doações. Na maioria das igrejas há um departamento do tipo.)
8. Visite o site http://www.cliquealimentos.com.br/Inicial e dê um clique.
9. Deixe ração e água num lugarzinho para os animais da rua.
10. Telefone para alguém e diga algo bom e encorajador.
11. Separar alguns livros para doar para a biblioteca pública ou para uma criança carente.
12. Visite o site http://www.clickhelpworld.com/ e dê alguns cliques.
13. Separar algum dinheiro para dar de oferta para os pobres. (através da ADRA)
14. Visitar um idoso que não pode sair de casa e levar um cartão de Natal.
15. Cole um saquinho com dinheiro em um brinquedinho de uma loja de importados.
16. Coloque dinheiro na caixinha de Natal dos funcionários de uma loja.
17. Cole umas moedas numa garrafa de água do supermercado ou da padaria.
18. Deixe uma mensagem de feliz Natal no para-brisa de um carro.
19. Regue uma planta e se inscreva no site http://plantearvore.org.br/profiles/blogs/quem-somos
20. Separar algumas roupas e brinquedos para doar para crianças pobres. (através da ADRA)
21. Escondidinho, leve biscoitos gostosos para as crianças lancharem na biblioteca ou na igreja.
22. Visite o site http://www.care2.com/click-to-donate/ e dê alguns cliques.
23. Ajude num serviço doméstico.
24. Faça uma oração por alguém que esteja precisando de ajuda.

(Com Nicolau ao lado para nos lembrar que é bom e possível fazer o bem sem receber nada em troca)


Clique nas imagens para salvar e imprimir.
 




O link para baixar o arquivo .doc, com os cartões para editar, você pode BAIXAR AQUI)

 Ao invés de usar o calendário, nós sorteamos aleatoriamente, todos os dias, um ato de bondade para fazermos juntos. No dia 25 vou fazer uma surpresa e encher o pote com doces, para que eles também experimentem um pequeno encontro com a Graça do Deus cristão: aquele presente inesperado que nos é dado sem que necessariamente tenhamos que ter feito algo para merecê-lo. Os doces não serão um prêmio pelo que fizeram, uma vez que a alegria de fazer o bem se basta, apenas os colocarão por um momento no lugar daqueles que também foram agraciados. Afinal, Jesus não nasceu apenas para os bonzinhos e bem comportados, sua Graça alcança toda a humanidade com uma bondade e misericórdia que nasce do amor no coração de Deus. E é esse amor que queremos que nossos filhos conheçam, sintam e pratiquem.

Seguem abaixo algumas fotos de atos de bondade feitos por pessoas que aderiram a essa atividade :-)

Um lanche pago para um anônimo. Moeda para comprar uma bolinha de borracha.

Doces deixados na porta de um vizinho.

Saquinho com dinheiro deixado na sessão de brinquedos de uma loja.

 Bebida geladinha distribuída para trabalhadores na rua.

Mensagens de felicidade no para-brisa de um carro.


Moedas numa máquina de refrigerantes.

"O menor dos atos de bondade é mais eficaz que a mais grandiosa das boas intenções." (Oscar Wilde)

Você pode ver (muito) mais atividades de Natal em nossos posts sobre o tema de 2011 e 2012. Por aqui, neste ano, vamos deixar um pouco as atividades escolares de lado e nos concentrar em ficar bem juntinhos, em família, nos curtindo muito e aproveitando as bênçãos natalinas. Feliz Natal para você também!

Fontes:
https://www.youtube.com/watch?v=ocUN_P4oq10
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nicolau_de_Mira
http://pt.wikipedia.org/wiki/Festa_de_S%C3%A3o_Nicolau
http://pt.wikipedia.org/wiki/Papai_Noel
http://natalnatal.no.sapo.pt/pag_simbolos/nicolau.htm
http://www.fatheralexander.org/booklets/portuguese/st_nicolas_p.htm
https://www.youtube.com/watch?v=YQRtNpcZ7fk

Outras ideias com atos de bondade:
http://www.lifeatcobblehillfarm.com/2011/12/christmas-advent-calendar-random-acts.htmlhttp://eventstocelebrate.net/2013/11/christmas-advent-calendar-acts-service/
http://creativepartyideasbycheryl.blogspot.com.br/2010/11/24-days-to-christmas-good-deed-jar.html
http://thespacebetweenblog.net/2013/01/04/random-acts-of-kindness/
http://printables.yourway.net/random-acts-of-kindness-advent-calendar/
http://www.coffeecupsandcrayons.com/advent-calendar-idea-random-acts-of-christmas-kindness/
http://thechicsite.com/2013/11/29/8-easy-diy-advent-calendars/
https://www.pinterest.com/jccordova/gifts-of-kindness/
http://www.coffeecupsandcrayons.com/random-acts-of-kindness-and-cinnamon-applesauce-ornaments/
http://rowdyinroom300.blogspot.com.br/2012/12/christmas-kindness-part-2.html
http://www.pillowthought.com/2011/11/random-acts-of-christmas-kindness.html
http://www.thirtyhandmadedays.com/2013/07/random_acts_of_kindness_ideas/
http://sarahdawndesigns.blogspot.com.br/2012/10/25-ways-to-show-gratitude.html?showComment=1351632422190#.Up0WKCd6urE
https://www.pinterest.com/search/pins/?q=acts%20of%20kindness&rs=ac&len=12

Mais ideias de calendários de natal:
http://www.thegirlcreative.com/2013/11/26/counting-days-advent-calendars.html
http://translate.google.com/translate?hl=en&sl=auto&tl=en&u=http%3A%2F%2Flaclassedellamaestravalentina.blogspot.com%2F2011%2F10%2Fcalendario-dellavvento-2.html
http://www.thecraftycrow.net/2012/11/35-great-homemade-advent-calendar-ideas.html
http://howsweeteritis.blogspot.com.br/2011/11/advent-calendar-teach-true-story-of.html (símbolos cristãos)
http://www.herewearetogether.com/2013/11/26/advent-calendar-activities-printable/
http://www.thegirlcreative.com/2011/12/04/creating-christmas-dont-just-pin-create.html
http://www.1dogwoof.com/2012/11/scripture-advent-calendar.html
http://www.noomii.com/advent-calendar
http://pinkandgreenmama.blogspot.com.br/2009_11_01_archive.html

1 de novembro de 2013

Saudades e dica de livros internacionais

Ontem li uma mensagem da Danny, perguntando sobre mim e meu sumiço nos grupos do Facebook também. De fato, há alguns dias desativei minha conta e o blog aqui está sem atualizações há bastante tempo também. Gostaria, antes de mais nada, de dizer que minha relação com os leitores do blog e amigos do Facebook acabou ficando afetiva de verdade. De modo que tenho sentido muitas saudades, tanto de postar e receber os feedbacks sempre animadores de vocês, quanto de interagir e partilhar com o pessoal do Facebook, que também me inspira sempre, tanto.

Mas estou mergulhada em meio a projetos importantes que têm demandado muito do meu tempo e energia. Como já mencionei AQUI, tenho minhas dificuldades para focar em projetos grandes assim, e o Facebook não ajuda muito: acabo sempre gastando mais tempo nele do que deveria para manter o equilíbrio na minha lista de afazeres. Em muitos aspectos minha mente ainda precisa dos mesmos cuidados que uma criança quando vai fazer sua tarefa escolar: me afastar de todo tipo de ruído ou fonte de distração. Sim, realmente tentei agir como uma adulta capaz de lidar com isso de forma madura, mas não deu. E nesse momento da minha vida, em que várias oportunidades estão surgindo, sinto que preciso mesmo priorizar esses projetos (alguns já bem antigos) para que eles saiam do mundo das ideias e se concretizem. Sei que meus amigos de fato, aqueles que se importam comigo, saberão compreender esse momento e me dar o apoio que preciso para acreditar que esses projetos vão dar certo. Gostaria de falar mais sobre eles agora, mas é meio complexo pra explicar apenas com palavras. Melhor fazer uma surpresa e mostrar tudo de uma vez quando estiver pronto, ou ao menos, mais encaminhado. Mas desde já posso garantir que será algo ótimo para os leitores deste blog e os amigos do Facebook: pais, mães e professores comprometidos em levar uma educação de qualidade para as crianças. Na verdade todos os meus projetos são nesse sentido, e visam a democratizar de uma forma mais profunda e prática os conhecimentos que tenho adquirido ao longo da minha jornada como mãe e educadora.

Para aproveitar o post, gostaria de finalizar com uma dica bem legal para quem tem conta no Facebook. Trata-se do grupo International Children's/Youth Book Exchange by Roberta . Roberta é uma americana que tem um filho de 6 anos e resolveu se unir a outras mães no mundo todo para trocar livros infantis e juvenis. Os livros devem ser novos, mas não há um limite de preço, apenas sugestões de temas dados pelas próprias mães, a respeito dos gostos literários dos filhos (é necessário comunicar-se em inglês, nem que seja via google tradutor hehehe). Mensalmente ela promove as trocas organizando tudo. Basta se cadastrar e adicioná-la como amiga e ela, inbox, lhe dirá para qual endereço mandar seu livro, e lhe manterá informada dos livros que vai receber. Como tenho esse meu jeitinho over de ser, propus logo a troca de quatro livros, dos quais três já chegaram.

 Fiquei muito animada! Mais que a experiência com o idioma, é uma experiência cultural, uma chance das crianças verem o mundo por outros olhos.

 Da Alemanha eu recebi esses: um falando sobre aspectos geológicos do planeta Terra, outro sobre animais (os dois com óculos pra ver em 3D), e um livrinho de atividades. Me senti uma criança não-alfabetizada, só consegui entender as imagens, mesmo assim achei ótimo! Detalhe do cartão postal carinhosamente assinado pela família. Penso em tentar traduzir algumas palavras, como os nomes dos animais, para passar pra eles - e para mim - um tiquinho do alemão.

 Este outro veio de Portugal, foi o que chegou mais rápido. A história é um conto popular típico do país e as ilustrações são muito bonitas.

Este veio dos EUA, recheadinho com vários mimos como cartão postal, mapas e folders  de pontos turísticos do estado da remetente, adesivos... um carinho enorme. Amei!

Só está faltando agora um que vem da Coréia do Sul :-)

O custo do envio dos livros foi de mais ou menos R$ 20 por livro - coisa que eu não sabia antes de propôr a troca de 4 livros de uma vez - mas você pode fazer apenas uma troca para começar, e não é obrigada a participar todo mês,só quando quiser. Recomendo bastante!

31 de agosto de 2013

Comemorando o aniversário de Maria Montessori

Hoje é um dia muito especial!

Há exatamente 143 anos atrás nasceu uma mulher que mudaria não apenas os rumos da Educação mundial, mas também a forma de educar em muitos lares. Maria Montessori foi certamente uma das pessoas mais extraordinárias que já viveu entre nós. Para acessar sua biografia, CLIQUE AQUI.

Cursei várias disciplinas de Educação em minha faculdade, mas só vim a conhecer o método Montessori através de uma pessoa incrível chamada Nádia Motta Monteiro. Certo dia, procurando por atividades educativas para meu filhos, encontrei o blog dela (ESTE AQUI), e quanto mais eu lia, mais eu tinha vontade de ler pois aquilo era diferente de tudo que eu já havia visto em termos de Educação Infantil. Uma educação cheia de humanidade, de paz, de beleza, de precisão e ao mesmo tempo de uma grandeza imensurável. A Nádia me mostrou que era possível levar tudo aquilo para dentro do meu lar, para a vida dos meus filhos. A primeira coisa que fiz foi começar a copiar aquelas ideias lindas e pesquisar mais a fundo sobre elas. Até então eu me concentrava nas atividades sensoriais, pois eram as que tinham a ver com a fase em que meu filho estava.

Quando comecei a estudar melhor, descobri que Montessori era um universo. E quanto mais eu estudava, mais apareciam coisas para estudar. E mais eu queria descobrir. Desde então já se passaram três anos e eu continuo estudando e achando que não desbravei nem um quinto desse universo. Mas também continuo querendo mais e mais. Nesses três anos conheci outras pessoas que partilhavam do mesmo ideal que eu, de viver esse tipo de educação simples e refinada que Maria Montessori teceu em seu coração. Participei do grupo Montessri para Mamães, às vezes mais ativamente, às vezes apenas como observadora, e lá fiz amizades gostosas, que tenho certeza que vão durar por toda a vida, e também pude ter contato com pessoas que considero estrelas de primeira grandeza desse universo, como a Edimara Lima, a Márcia Righetti. Lá também me apaixonei por uma professora muito especial chamada Valquíria Bottaro, com quem partilhei, muitas vezes, não apenas material, experiência, pensamentos, conhecimento, risadas, formas de ver o mundo, mas acima de tudo um profundo afeto por ela e pela vida em Montessori que ela significa.

Numa época em que eu estava bem "de mal" com a vida acadêmica, conheci também o Gabriel Salomão (do Lar Montessori). Tudo que eu senti e pensei sobre esse encontro eu quero dizer pra ele, um dia, pessoalmente. Mas posso adiantar que ele mudou radicalmente meu entusiasmo com a vida acadêmica, e cada vez que eu leio um artigo que ele escreve, me dá uma coceira danada de voltar a escrever também, porque a paixão dele por Montessori é contagiante, dá na gente uma vontade de sair falando sobre isso pra todo mundo. E porque ele consegue imprimir algo de lindo na objetividade de seus textos, ornamentando com sua convicção aquilo que já é belo demais. E tenho aprendido tanto através dele que eu não conseguiria agradecer de uma forma justa. Gabriel, vou parar por aqui porque o resto eu vou escrever nos agradecimentos da minha futura dissertação de mestrado ahahaha

Eu não gosto de citar nomes em homenagens como esta porque a gente sempre acaba sendo injusto. Muitas pessoas tem me ensinado sobre como viver Montessori. Mesmo que eu não tenha escrito seus nomes aqui, o que daria uma lista bem, bem grande, fica aqui meu carinho, respeito, admiração e afeto por cada uma dessas pessoas. Muitas delas mães como eu, que têm a humildade de partir do zero e pesquisar, pesquisar, e trazer o que de melhor conseguem apreender para seus filhos. Nem todas pensam igual a mim, mas partilham o mesmo amor pela Educação, e isso nos une muito fortemente.

Para aqueles que começam agora a sua viagem por esse universo, preciso dizer que mais que  método, Montessori é uma filosofia de vida. Mais do que se preocupar em fazer tudo "certinho", é preciso compreender. E não há outra forma de compreender Montessori, que não seja observando a criança. Observando atentamente e redescobrindo o mundo pelos olhos dela. Portanto, pais e mães, preocupem-se em preparar aquilo que há de melhor dentro de vocês e no ambiente em que vocês vivem, para oferecer como a mais preciosa dádiva para seus filhos. Isso é, fundamentalmente, Montessori. O restante a gente vai aprendendo aos poucos... e isso é bom porque há sempre algo novo com o que se maravilhar.


Vídeo comemorativo feito pelo grupo Montessori para Mamães no Facebook

Segue abaixo minha pequena homenagem a este dia tão significativo. Vou implementar algumas mudanças aqui no meu blog, colocando outros blogs sobre o método Montessori em destaque, e também criando novos marcadores com as áreas de aprendizagem específicas: sensorial, matemática, linguagem, educação cósmica, educação sensorial, etc. Também estou com um projeto para breve, de criar um canal no youtube com vídeos de nossas "vivências montessorianas" aqui em casa, e dicas sobre materiais e atividades. Já tenho vários posts sobre o tema "na agulha", e nas próximas semanas vou publicar vários seguidos apenas sobre Montessori. Enfim, esse é apenas o começo das comemorações por aqui. Espero que eu consiga levar a muitas pessoas o mesmo sentimento de devoção pela vida e pelas crianças, que essa mulher provoca em mim.

"Parabéns pra você!!!" -  Nosso Bolo Montessoriano

Pensei nesse bolo, a princípio, só como uma simples homenagem. Mas resolvi fazer dele uma forma de mostrar que Montessori pode ser inserida no dia-a-dia, em atividades simples na nossa casa. Para tanto dividi nossa "receita" nas seis grandes áreas de conhecimento do método Montessori

MATEMÁTICA
Oh, céus, eu até gostaria de fazer um bolo bem caprichado, mas como esta homenagem foi improvisada, fizemos com massa empacotada mesmo kkkk Pedi que Vinícius usasse o pacote como controle de erro e escrevesse a quantidade dos ingredientes que usaríamos.


 Depois foi a vez de Rafael usar cartões numéricos para identificar a quantidade dos ingredientes. Olha a carinha de felicidade por ter conseguido.


SENSORIAL E VIDA PRÁTICA
As atividades cotidianas da criança, aquelas mais comuns no ambiente em que vive, são uma forma maravilhosa de desenvolver seus sentidos. Basta que os pais se acostumem a ajudá-la a aprender ao invés de fazer por elas. Nas fotos abaixo, clique nos links para saber mais.





Tato, olfato e paladar trabalhando na bacia do bolo.

 Comentário do papai (autor da foto): "isso é um bolo ou um tratado de geometria?"

 
 Poderia ser uma escada marrom, né? kkkkkk

 Depois do bolo pronto, mais uma percepção sensorial: "Está quente!"

 Usamos massa americana colorida pronta para fazer a cobertura.

 Não é muito diferente de massa de modelar. Inclusive eu roubei algumas pecinhas de brinquedo (devidamente higienizadas, claro) para trabalhar a massa americana.

 Confesso a vocês que não foi fácil. Eu nunca li nada a respeito de confeitar bolos nem usar massa americana, nem sou prendada nesse tipo de coisa. Mas com amor a coisa vai tomando forma...

 CONHECIMENTO DE MUNDO
 Enquanto o bolo assava aproveitei para ver com eles o livro "Maria Montessori - uma história no tempo e no espaço", de Talita de Almeida (editora da ABEM). Resumi a história de quem foi Maria Montessori e mostrei algumas fotos do livro, eles ficaram realmente impressionados com a sala de aula dela na Índia :-)



 Depois Rafael fez questão de "reler" o livro, e contou para mim e para o pai, com suas palavras a história dessa professora que mudou a vida das crianças  (ele nem imagina o quanto)

Dessa conversa surgiram muitas perguntas por parte deles. A mais intrigante foi: "Mãe, como vamos dar o bolo pra ela se ela já morreu?". Aí tive que explicar o significado da palavra "homenagem", e dizer que no céu a gente vai poder dar um bolo pessoalmente para ela. Mas talvez demore um pouquinho, então é melhor a gente ir comendo esse ahahaha

 LINGUAGEM
 Fizemos as letras do nome de Montessori com a pasta americana. Rafael, em especial, que está no período sensível para a leitura e escrita, demorou-se nessa atividade e no reconhecimento das letras e dos sons.



Hummm... essas letras são tão sensoriais que dá até pra comer ahahaha


ARTES
Uma das características do material Montessori é que cada um tem um objetivo específico. Mas eu resolvi dar um objetivo diferente ao nosso material dourado e propor que eles fizessem uma "arte" com ele, para complementar a decoração do bolo. Adorei o resultado!



Ficou mesmo uma obra de arte! Quer saber mais sobre esse material Montessori que reproduzimos? (bem, tentamos) CLIQUE AQUI.


Ps.: Eu lamento que muitos dos links acima sejam em inglês, mas prometo trabalhar nos próximos meses para produzir muita coisa em português sobre o uso dos materiais Montessori no ambiente domiciliar.